sexta-feira, 21 de julho de 2017

HAPPY HOUR


PENSAMENTO DA SEXTA



NOSSO SOM





VIVENDO NO BRASIL 1

NO PARÁ AÇAÍ - JULHO 7

EM OUTUBRO É ASSIM....


Parlamentares que vão votar perdão de dívidas devem R$ 533 milhões

Desde 2000, já foram lançados 27 parcelamentos especiais (Foto: Pixabay)

Novo texto do programa de parcelamento de dívidas fiscais a pessoas jurídicas com descontos generosos de juros e multas, chamado de Refis, vai ser votado por senadores e deputados que devem R$ 532,9 milhões à União. A informação é do Estadão.

Em janeiro, o governo enviou uma proposta ao Congresso para arrecadar R$ 13,3 bilhões este ano. No entanto, os parlamentares alteraram a proposta, fazendo com que a arrecadação caísse para R$ 420 milhões. O novo texto quer perdoar 73% da dívida a ser negociada.

Nestes R$ 532,9 milhões que os parlamentares devem estão dívidas inscritas nos próprios CPFs, débitos que eles são corresponsáveis ou fiadores e endividamento de empresas das quais são sócios ou diretores. Neste valor, só são consideradas as dívidas em aberto. Afinal, eles já foram beneficiados por parcelamentos passados. Nos Refis anteriores, o total de débitos que estão sendo pagos é de R$ 299 milhões. Desde 2000, já foram lançados 27 parcelamentos especiais.

O deputado Newton Cardoso Jr. (PMDB-MG), por exemplo, está no grupo de parlamentares cujas empresas têm dívidas. Ele é o relator da medida provisória do novo Refis e responsável por modificar totalmente o teor do texto original para ampliar as vantagens dos devedores.

As empresas de 76 deputados federais devem R$ 218,7 milhões, enquanto as de 17 senadores acumulam dívidas de R$ 201,2 milhões. Além disso, 11 deputados são corresponsáveis por dívidas que chegam a R$ 31,8 milhões, enquanto três senadores têm débitos de terceiros que somam R$ 62,2 milhões. Para piorar, 29 deputados federais têm dívida total de R$ 18,9 milhões inscritas nos próprios CPFs, enquanto quatro senadores juntos devem R$ 6 milhões.

A Receita Federal vai recomendar o veto do novo Refis se permanecerem as condições propostas pelo relator. No entanto, os parlamentares parecem ter motivos o suficiente para aprovar a medida.Estadão

Planalto instala ‘misturador de voz’ no gabinete de Temer

Quem entra no gabinete presidencial deve deixar o celular do lado de fora (Foto: Pixabay)

Após o presidente Michel Temer ter sido gravado pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS, no Palácio do Jaburu, uma medida de segurança foi tomada. O Palácio do Planalto instalou um aparelho conhecido como “misturador de voz” no gabinete do presidente.

O dispositivo emite uma frequência sonora que danifica as vozes gravadas na conversa. Ou seja, se gravarem uma conversa, não será possível entender o que foi dito. O aparelho também foi instalado nos gabinetes dos ministros. A informação é do Blog do Camarotti.

No ano passado, o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, também admitiu ter gravado uma conversa telefônica com o presidente. Apesar de já existir uma precaução para entrar no gabinete presidencial, quem entra deve deixar o celular do lado de fora, a segurança foi reforçada diante dos últimos episódios.G1

COMPORTAMENTO



ÁREAS DE PROTEÇÃO EM RISCO

Temer avança desmatamento na Amazônia em troca de apoio

Para os críticos, Temer está trocando árvores por votos na Câmara (Foto: Agência Brasil)

Uma área de floresta nacional protegida por lei na Amazônia está ameaçada pela tentativa do governo brasileiro e da bancada ruralista de reduzir as áreas de conservação do país. O alerta foi dado por ativistas da rede WWF, em entrevista ao Financial Times.

Segundo os ativistas, o presidente Michel Temer está prestes a redesenhar as fronteiras da Floresta Nacional do Jamanxim, no Pará, retirando a proteção de uma área equivalente ao tamanho de Portugal. “O Brasil está diante de uma ofensiva sem precedentes contra áreas de proteção”, disse Marco Lentini, da WWF Brasil, em entrevista ao ‘FT’.

Para os críticos, Temer está trocando árvores por votos ao apoiar demandas da bancada ruralista que facilitariam as operações em áreas protegidas, em troca do apoio dos mesmos na votação da denúncia contra ele no Congresso.

No próximo dia 2 de agosto, a Câmara vai votar se autoriza que a denúncia apresentada contra Temer pela Procuradoria-Geral da República (PGR) seja analisada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O presidente é acusado de corrupção passiva no escândalo da JBS. Para que a denúncia seja analisada pelo STF, são necessários os votos de dois terços da Câmara, o que representa 342 deputados do total de 513. Diante disso, Temer tenta negociar todo apoio possível.

No mês passado, Temer vetou duas propostas suas apresentadas ao Congresso, as MPs 756 e 758. As propostas foram vetadas após a Noruega cortar pela metade a verba que o país pretendia destinar no próximo ano ao Fundo da Amazônia.

Porém, logo após o veto, o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, enviou ao Congresso um projeto de lei para transformar cerca de 27% da área da Floresta Nacional do Jamanxim em área de proteção ambiental (APA). Na prática, isso representa redução no grau de conservação da área e tornará menos protegida uma área de 350 mil hectares. Sarney anunciou a proposta em um vídeo, assegurando aos ruralistas que ela terá o mesmo efeito das MPs vetadas.

A preocupação em torno da proteção às florestas do Brasil ocorre em meio ao aumento no desmatamento na Amazônia. No ano passado, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) relatou que o desmatamento na Amazônia aumentou 29% em relação a 2015.Financial Times

BRASIL CPLP

Temer pede fomento à cooperação entre países de língua portuguesa


O presidente brasileiro, Michel Temer, inaugurou nesta quinta-feira uma reunião de ministros de Relações Exteriores da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), aos quais pediu para fomentar a cooperação nas áreas "fundamentais" do desenvolvimento.

"O dinamismo da CPLP está dedicado a sua agenda de cooperação e a sua vitalidade em áreas fundamentais para o desenvolvimento, como saúde, educação, justiça e direitos humanos", declarou Temer ao inaugurar a reunião que acontece hoje em Brasília.

A CPLP, fundada em 1996, é integrada por Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé Príncipe e Timor Leste, e tem como observadores Japão, Uruguai, Hungria, Eslováquia, República Checa, Geórgia, Ilhas Maurício, Namíbia, Senegal e Turquia.

Segundo declarou Temer, a "defesa" e a "difusão" da língua portuguesa é um dos objetivos "principais" da CPLP, "cujo destino é crescer cada vez mais, sempre apoiada nos pilares da combinação política, econômica e comercial".

Na opinião do presidente, a importância da língua portuguesa e da própria CPLP tem hoje um "respaldo fundamental" no atual secretário geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, ex-primeiro-ministro português e um dos promotores da comunidade.

Durante a reunião de trabalho em Brasília, os ministros revisarão o desenvolvimento do plano de ação que a CPLP traçou em sua 11ª Cúpula de chefes de Estado e de Governo, realizada em novembro do ano passado também em Brasília.

Esse plano de ação aponta para "prosseguir com o aprofundamento da combinação política e diplomática" entre os países membros, a promover a cooperação em "todas as áreas", incluindo o setor econômico e o comercial, e também a renovar esforços para a promoção da língua portuguesa no mundo.

Do mesmo modo, a chamada "Nova Visão Estratégica" da CPLP propõe "estimular" o comércio entre os parceiros da comunidade e promover uma aproximação com outros mecanismos de cooperação e blocos que existem sobretudo no chamado eixo sul-sul.EFE

VIVENDO NO BRASIL 2

R.UNIDO PENSÕES

Reino Unido antecipa data para elevar para 68 anos idade de aposentadoria

EFE/Daniel Deme

O governo britânico anunciou nesta quarta-feira sua decisão de antecipar para 2037, sete anos antes do previsto, a data em que elevará de 67 para 68 anos a idade de aposentadoria no Reino Unido, a fim de economizar custos.

O ministro de Trabalho e Pensões, David Gauke, apontou que a mudança de data, que afeta a cobrança da pensão estatal, responde às recomendações de um relatório independente apresentado no início deste ano.

Segundo os novos planos, a idade de aposentadoria subirá progressivamente a 68 anos entre 2037 e 2039, frente à proposta anterior, que aconteceria entre 2044 e 2046.

A medida afetará as pessoas nascidas entre 6 de abril de 1970 e 5 de abril de 1978.

A antecipação da nova idade de aposentadoria dará ao Estado britânico uma economia de 74 bilhões de libras em 2045/46, indicou o ministro.

Segundo os dados oficiais, o número de aposentados com direito a receber a pensão estatal aumentará entre de 12,4 milhões para 16,9 milhões nos próximos 25 anos.

Gauke declarou que o aumento da longevidade dos cidadãos, ainda que seja algo para comemorar, apresenta "desafios para o governo", que precisa "encontrar um equilíbrio entre o financiamento da pensão estatal e assegurar um tratamento justo às futuras gerações de contribuintes".

A pensão estatal geral no Reino Unido é de 159,55 libras por semana, exceto em alguns casos não comuns no setor público, onde pode estar vinculada ao salário.

O governo britânico obriga as empresas e os trabalhadores a contribuírem com uma porcentagem determinada do seu salário a planos de previdência privada.EFE

OMS TABACO

Aumentar imposto sobre tabaco é a melhor maneira de reduzir consumo, diz OMS

EFE/Sáshenka Gutiérrez

O aumento de impostos sobre o tabaco é a forma mais eficaz de reduzir seu consumo e incentivar os compradores a deixar de fumar, embora seja a medida menos utilizada a nível global, segundo um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Calcula-se que uma de cada dez mortes no mundo é causada pelo tabagismo e, no entanto, na última década os impostos aplicados sobre os produtos de tabaco apenas variaram e se mantiveram relativamente baixos, de acordo com a OMS.

O último estudo sobre a "Epidemia global do tabaco", correspondente a 2017, indica que aumentar o preço do tabaco é especialmente efetivo entre as pessoas fumantes de baixa renda e como forma de prevenir a iniciação precoce do tabagismo entre os jovens.

Estima-se que um aumento de 10% no preço de venda do cigarro poderia reduzir em 4% o consumo em países mais ricos e em torno de 5% nos países de média e baixa renda.

No entanto, a organização aponta que comprar um maço de cigarros continua sendo "muito acessível" na maior parte do mundo, já que o preço do tabaco não tem sido ajustado ao aumento de renda per capita e de poder aquisitivo do consumidor.

Entre 2014 e 2016, o tabaco se tornou mais acessível em 35 países, entre eles Espanha, Áustria, Croácia, Dinamarca, França, Suécia, México, Costa Rica e Guatemala.

Nesse sentido, a OMS sugere que a maioria dos países deve considerar triplicar seus impostos ao tabaco, o que ajudaria a reduzir o consumo e alcançar o objetivo da ONU para o Desenvolvimento Sustentável de reduzir as mortes por doenças não transmissíveis em 30% até 2030.

Segundo os últimos dados disponíveis, em 2007 havia 1,1 bilhão de fumantes no mundo, e dez anos depois este número não caiu, ainda que a taxa de tabagismo entre adultos maiores de 15 anos tenha tido uma leve diminuição (2,8%).

O estudo lembra que, além das consequências nefastas para a saúde pública, o tabaco tem um impacto econômico nas famílias dos fumantes ao contribuir com seu empobrecimento, já que a despesa nestes produtos significa menos dinheiro destinado a alimentos e medicamentos.

Além disso, a OMS adverte que não existe nenhum nível de exposição passiva ao fumo do tabaco que seja segura, por menor que seja, já que inclusive a exposição ocasional pode levar a graves doenças cardiovasculares e respiratórias, câncer de pulmão e outros tumores.

Nesse sentido, a organização alerta que crianças, recém-nascidos e fetos correm um maior risco com a exposição ao cigarro.

O relatório indica que as medidas destinadas a acomodar os fumantes, tais como salas separadas e sistemas de ventilação, não impedem a exposição de outros porque "não é possível eliminar de forma eficaz" os produtos contaminantes produzidos pela combustão do tabaco.

"A única forma de proteger totalmente as pessoas da exposição passiva ao tabaco é estabelecer espaços completamente livres de fumo e sem exceções", diz o documento.

De acordo com a OMS, mais de 55 países contam com leis antifumo, apesar de sua imposição ser particularmente difícil em cafés, pubs e bares, nos quais só 25% dos países verificam um alto respeito.

Por outro lado, o estudo aponta que a indústria tabagista utiliza cada vez mais os litígios comerciais internacionais como via para bloquear a implementação de muitas políticas de controle do tabaco, tais como locais públicos livres de fumo, advertências gráficas nos maços e regulamentos específicos para estes produtos.

Nesse sentido, a OMS pede aos países que limitem os acordos financeiros e interações com a indústria para evitar interferências na implementação de leis locais e programas de controle do tabagismo.EFE

ALEMANHA TURQUIA

Merkel defende medidas adotadas contra Turquia como "indispensáveis"

EFE/FELIPE TRUEBA

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, defendeu nesta quinta-feira como "indispensáveis" as medidas adotadas pelo seu Governo contra a Turquia, desde o endurecimento das advertências aos viajantes, até a revisão das ajudas que recebe da União Europeia (UE), após meses de crescentes tensões bilaterais.

"As medidas anunciadas pelo ministro de Exteriores para a Turquia são necessárias e imprescindíveis, tendo em vista a situação", afirmou a chanceler, em mensagem transmitida pela conta no Twitter de seu porta-voz, Steffen Seibert.

Ele se referiu assim às decisões anunciadas horas antes pelo titular de Exteriores, Sigmar Gabriel, que falam de uma "revisão" das suas relações com Ancara.

O ministro tinha antecipado que tais medidas tinham sido adotadas de forma pactuada tanto com Merkel como com o líder social democrata Martin Schulz, como representantes das legendas que integram a grande coalizão de Governo.EFE

CHINA CONTAMINAÇÃO

Poluição piora na China durante primeira metade de 2017

EFE/Wu Hong

Os níveis de poluição nas cidades chinesas pioraram na primeira metade deste ano a respeito do mesmo período de 2016, devido principalmente à grave presença de nevoeiro em janeiro e fevereiro, segundo dados do Ministério de Proteção Ambiental da China divulgados hoje.

Em média, 25,9% dos dias nos primeiros seis meses do ano não tiveram uma boa qualidade de ar nas 338 principais cidades do país, 2,6 pontos percentuais mais que no mesmo período de 2016.

As temperaturas frias em janeiro e fevereiro, que fizeram disparar o uso de carvão para calefação, foram segundo o porta-voz do ministério, Liu Youbin, a principal razão deste aumento, que não pôde ser atenuado com a melhora da qualidade de ar entre abril e junho, quando aumentaram as inspeções contra empresas contaminantes.

Em Pequim, uma das capitais mais poluídas do mundo, apenas 55,3% dos dias da primeira metade de ano tiveram qualidade de ar "bom", frente a 61,1% do primeiro semestre do ano passado.EFE

VIVENDO NO BRASIL 3

CHINA CENSURA

Censura chinesa limita uso do WhatsApp para envio de fotos e vídeos

EFE/RITCHIE B. TONGO

Os usuários na China do popular aplicativo WhatsApp têm encontrado problemas nesta semana na hora de enviar fotos e vídeos aos seus contatos, algo que especialistas em tecnologia atribuem a uma nova ação da censura chinesa contra plataformas estrangeiras de comunicação.

Segundo destacou nesta quinta-feira a GreatFire.org, organização que faz um acompanhamento da censura da internet na China, os servidores do WhatsApp neste país sofreram problemas de acesso desde terça-feira que impediram que seus usuários enviassem imagens ou vídeos, especialmente em Xangai, maior cidade do país.

Estas dificuldades, ainda que tenham se reduzido no dia de hoje, indicam, segundo o jornal "South China Morning Post", uma estratégia do governo chinês para prejudicar o WhatsApp e beneficiar seu rival local, o aplicativo WeChat.

Ainda que ambos tenham funcionamento similares, o WhatsApp encripta suas mensagens, o que dificulta que estas possam ser monitoradas por terceiros, enquanto o WeChat, do gigante tecnológico chinês Tencent, colabora com a censura do país apagando mensagens ou contas inteiras com material politico "sensível".

Os problemas no WhatsApp foram detectados em meio a um aumento do controle informativo e da censura na China, pela proximidade do 19º Congresso do Partido Comunista, do qual se esperam importantes substituições na cúpula do regime.

Além disso, acontecem na semana posterior à morte do escritor e prêmio Nobel da Paz, Liu Xiaobo, uma figura que na semana passada também foi vítima da censura chinesa, já que alusões a ele em redes sociais ou páginas de internet eram bloqueadas ou apagadas pelas autoridades.

A censura chinesa bloqueou até a publicação de homenagens veladas ao escritor e, por exemplo, apagou fotos de cadeiras vazias publicadas pelos seus seguidores como símbolo do dissidente chinês (já que o prêmio Nobel que recebeu em 2010 foi colocado em um assento vazio em Oslo durante a cerimônia daquele ano).

Numerosas plataformas estrangeiras de comunicação e redes sociais estão bloqueadas na China, como Facebook, YouTube, Twitter, Instagram e Snapchat, o que beneficiou o auge de versões locais e contribuiu para a aparição de gigantes chineses da internet como Baidu, Alibaba e a mencionada Tencent.EFE

RÚSSIA SOCIEDADE

A cruzada da Rússia contra o álcool

Jovens bebendo em Moscou. EFE/Sergei Ilnitsky

A Rússia estuda proibir a venda de álcool nos finais de semana com o objetivo de reduzir o alcoolismo em um país em que 30% da população masculina morre por causas derivadas deste vício.

Por enquanto, essa é apenas uma das propostas da chamada "Estratégia de Vida Saudável", que também prevê novas iniciativas para combater o tabagismo, promover a prática de esportes e uma alimentação saudável.

A notícia não demorou para gerar polêmica em um país que já tentou limitar o horário de venda do álcool: entre 1985 e 1987, durante a etapa conhecida como a "lei seca de Gorbachov", as poucas lojas autorizadas só podiam vender bebidas alcoólicas entre 14h e 19h.

Aquela época foi marcada pelo crescimento da fabricação de álcool caseiro de baixa qualidade, o que causou muitas intoxicações, algumas mortais, mas o consumo do álcool foi reduzido consideravelmente, assim como a mortalidade.

"A ideia de proibir a venda de álcool aos finais de semana não tem nenhum sentido e nem terá efeito positivo algum. Isso só vai impulsionar a fabricação ilegal do álcool", disse Vadim Drobiz, diretor do Centro de Pesquisas do Mercado do Álcool.

De acordo com Drobiz, a maioria dos consumidores "comprará ao longo da semana as reservas para o final de semana, e comprará inclusive mais que o habitual" para não ficar sem.

Novas medidas menos radicais estudadas pelo Ministério da Saúde russo dentro da sua estratégia para os próximos oito anos preveem a restrição dos horários e dos estabelecimentos que poderão vender álcool.

Na Rússia, as regiões regulam os horários da venda do álcool além da lei federal, que proíbe a venda de maneira geral entre as 23h e as 8h.

Na região de Ulianovsk, na parte europeia do país, já rege a mesma medida que agora é proposta pelo Ministério da Saúde, enquanto que na muçulmana república da Chechênia só se pode adquirir álcool durante duas horas ao dia, entre as 8h e 10h.

"Há cinco anos que a norma tem sido adotada em Ulianovsk, onde aos finais de semana só é possível comprar álcool para um funeral. Não deu nenhum resultado. A região está transbordando de álcool ilegal e o consumo está em nível alto", ressaltou Drobiz.

Os especialistas lembram a intoxicação em massa ocorrida em dezembro, quando mais de 70 pessoas morreram na cidade siberiana de Irkutsk pela ingestão de uma loção para banho à base de metanol e flores de espinheiro que era vendida em farmácias.

Quase todas as vítimas tinham comprado a loção em um mesmo bairro de Irkutsk devido ao preço, que custava muito menos que uma garrafa de vodca.

Um estudo internacional publicado pela revista médica britânica "The Lancet" adverte que um quarto da população masculina da Rússia morre antes de completar os 55 anos, dado que os cientistas atribuíram em grande parte ao consumo excessivo do álcool.

Outro dado, divulgado recentemente pelas autoridades russas, indicam que 30% dos homens e 15% das mulheres russas morrem por causas derivadas do consumo de bebidas alcoólicas.

O alcoolismo tira a vida de meio milhão de russos todos os anos, mas a alarmante estatística melhorou muito nos últimos tempos, sobretudo devido a mudanças no hábito de consumo e à preferência dos mais jovens por um estilo de vida saudável.

Se há dez anos neste país eram consumidos 18 litros de álcool puro por habitante ao ano, agora esse número está pouco acima dos 10 litros.

Ao longo desta última década, a preferência dos russos pela vodca caiu quase pela metade, ao mesmo tempo em que aumentaram as vendas das bebidas de menor teor alcoólico, como vinho e cerveja.

O governo russo apostou em desestimular o consumo da vodca e promover, por outro lado, o vinho, considerado muito menos prejudicial para a saúde que a chamada "bebida nacional russa".EFE

GRÉCIA MEIO AMBIENTE

Greenpeace freta barco na Grécia para combater plástico nos mares

Foto cedida pelo Greenpeace do barco Rainbow Warrior III. EFE

O barco do Greenpeace "Rainbow Warrior III" inicia nesta quinta-feira na ilha grega de Zante - no mar Jônico - uma excursão para dar visibilidade ao problema dos resíduos de plástico nos mares.

A ilha de Zante é uma das principais zonas de desova da tartaruga-comum (Caretta caretta), uma das espécies marinhas mais ameaçadas da Europa.

A embarcação realizará ações como limpeza de praias junto a cidadãos e organizações ambientais gregas e internacionais e jornadas abertas ao público em Zante, bem como nas ilhas de Creta e Siros, para ensinar aos visitantes maneiras de proteger os oceanos da "invasão plástica".

Outro objetivo do navio é determinar a quantidade de microplásticos presentes nos mares gregos, para o que contará com a ajuda do Centro Grego de Pesquisa Marinha.

"Um país como a Grécia, cuja história e futuro estão tão unidos com a saúde e beleza dos seus mares, deveria liderar os esforços para reduzir radicalmente os resíduos de plástico", declarou Alkis Kafetzis, diretor da campanha marítima do Greenpeace na Grécia.

A organização ambiental internacional pretende denunciar o impacto negativo do plástico nos ecossistemas marítimos e mostrar a dependência da raça humana a este material.

Globalmente foram gerados 8,3 bilhões de toneladas de plástico desde a Segunda Guerra Mundial, dois terços dos quais são agora resíduos em depósitos ou no meio ambiente, segundo uma pesquisa publicada ontem pela revista "Science Advances".EFE

COREIA DO NORTE

Na Coreia do Norte, produção agrícola cai na pior seca em mais de 15 anos

Foto: EPA/LARRY W. SMITH

A produção agrícola da Coreia do Norte foi gravemente prejudicada pela pior seca que o país experimenta desde 2001, o que faz prever um aumento da insegurança alimentar, informou a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) nesta quinta-feira.

A entidade elaborou uma análise em parceria com o Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia que afirma que as chuvas estacionais nas principais zonas de cultivo de cereais foram inferiores às de 2001, quando a produção caiu ao nível mínimo de 2 milhões de toneladas. Em comunicado, a agência destacou que o plantio e a colheita dos alimentos básicos, entre eles arroz, milho e batata, foram afetados na principal temporada de 2017 pelas escassas chuvas de abril, maio e junho, muito abaixo da média.

A previsão é de que a situação de segurança alimentar piore ainda mais entre este ano e o próximo, o que deve aumentar as necessidades de importações de cereais.

De acordo com o representante da FAO para China e Coreia, Vincent Martin, são necessárias “intervenções imediatas” para apoiar os agricultores e iniciar a reabilitação e modernização das zonas de irrigação que permitam aumentar a disponibilidade de água.

A Coreia do Norte, um Estado regido desde a sua fundação, em 1948, pela família Kim sob um sistema econômico baseado no comunismo mais radical, sofre desde a década de 90 com a constante falta de alimentos e depende de ajuda externa para manter à sua população.

Segundo cálculos da FAO, entre 2014 e 2016 10,5 milhões de norte-coreanos passavam fome no país, o equivalente a 42% da população.EFE

quarta-feira, 19 de julho de 2017

MENSAGEM DO DIA

CBF - Com prisão pedida, Teixeira pode ter mesmo destino de Cunha

Se casos contra Teixeira forem transferidos, ele poderá ser preso no Brasil (Foto: Acervo/Agência Estado)

Com ordens de prisão emitidas na Espanha e nos Estados Unidos, o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira pode ter o mesmo destino do ex-presidente da Câmara de Deputados Eduardo Cunha. A Procuradoria-Geral da República considera solicitar às Justiças estrangeiras que transfiram os casos para o Brasil, com o compromisso de que ele seja investigado e processado no País.

Foi desta forma que a PGR conseguiu convencer a Suíça a transferir centenas de páginas de provas sobre suspeitas relacionadas a Cunha ao Brasil. Berna, entre 2014 e 2015, investigou o ex-político brasileiro e abriu um inquérito por corrupção passiva. Mas, mesmo se o condenasse, não conseguiria convencer as autoridades brasileiras a entregá-lo. Pelas leis nacionais, o Brasil não extradita seus cidadãos. Estadão Conteúdo