quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

MENSAGEM DO DIA

NO PARÁ DO AÇAÍ - FEV 43

VIVENDO NO BRASIL 1

BRASIL COLÔMBIA

Chanceler colombiana vem ao Brasil com questão venezuelana na agenda

María Ángela Holguín em foto de 2017. EFE/Lenin Nolly

A ministra das Relações Exteriores da Colômbia, María Ángela Holguín, virá a Brasília nesta quarta-feira, uma visita que incluirá em sua agenda uma análise da situação gerada pelo êxodo maciço de venezuelanos, informaram nesta terça-feira fontes oficiais.

Segundo um comunicado difundido pelo Itamaraty, a ministra colombiana será recebida pelo presidente Michel Temer e se reunirá também com os titulares de Defesa, Raul Jungmann, e Relações Exteriores, Aloysio Nunes.

A nota diz que está previsto uma "troca de experiências sobre o fluxo migratório venezuelano no Brasil e na Colômbia", dois dos países mais afetados pelo êxodo causado pela aguda crise política, econômica e social que sofre a Venezuela.

No caso da Colômbia, o presidente Juan Manuel Santos declarou ontem que a chegada de venezuelanos é "talvez o problema mais sério" vivido por seu país e reiterou sua disposição para receber ajuda humanitária internacional para tentar remediar a situação.

Segundo os últimos dados oficiais, 550 mil venezuelanos se instalaram na Colômbia de maneira indefinida e cerca de 37 mil cidadãos desse país cruzam a fronteira diariamente em busca de um futuro melhor e de comida e remédios, que estão escassos na Venezuela.

No Brasil, o êxodo tem acontecido sobretudo no estado de Roraima, que faz fronteira com a Venezuela e recebeu cerca de 40 mil venezuelanos no último ano, mas esse número pode ser ainda maior, pois acredita-se que muitos não foram registrados.

O governo federal adotou diversas medidas para acolher e auxiliar os venezuelanos e, inclusive, declarou Roraima em "situação de vulnerabilidade", o que facilita a liberação de ajuda financeira e humanitária para o estado.

A situação gerada pelo êxodo de venezuelanos foi tratada em uma reunião com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), que será concluída hoje em Brasília, e na qual o titular desse órgão do sistema ONU, Filippo Grandi, pediu aos países da América Latina que deem "respostas" de caráter humanitário.

"Repito o que o secretário-geral da ONU, António Guterres, já havia dito: esperamos que a situação na Venezuela seja solucionada e rápido", mas, até que isto aconteça, "é necessário" dar uma "resposta meramente humanitária, não política", ressaltou Grandi.

Durante a sua visita a Brasília, Holguín também participará de uma reunião de um comitê de diálogo constituído por Brasil e Colômbia, no qual serão analisados diversos aspectos das relações bilaterais.EFE

COMPORTAMENTO



SUÍÇA MERCOSUL

Suíça quer assinar acordo comercial com o Mercosul o mais rápido possível

Cúpula do Mercosul em foto de 2017. EFE/Fernando Bizerra Jr

O conselheiro federal (ministro) da Economia da Suíça, Johann Schneider-Amman, quer acelerar a assinatura de um acordo de livre-comércio negociado pelo país com o Mercosul, um mercado de 260 milhões de consumidores.

O político suíço convocou nesta terça-feira uma reunião com representantes de 26 organizações do setor econômico e exportador, assim como do âmbito agrícola para fazer consultas principalmente sobre o dossiê da Agricultura num futuro acordo com Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.

A Suíça procura um acordo o mais rápido possível em suas negociações com o Mercosul, já que a União Europeia (UE) também está negociando com esses países e, caso estas conversas terminem com sucesso, os exportadores suíços enfrentariam uma concorrência forte.

Na reunião de hoje o propósito era abordar como os acordos comerciais podem beneficiar os setores econômicos e agrícolas da Suíça, se bem que a União Suíça de Agricultores (USP, na sigla em francês) tenha preferido não participar do encontro.

O documento do Conselho Federal (Governo) suíço sobre a política agrícola para 2022 contempla uma abertura das barreiras aos produtos agrícolas e propõe, sobretudo, a intensificação de acordos de livre-comércio e uma redução da proteção aduaneira em vigor na Suíça.

Esta estratégia ainda deve ser abordada pelo Parlamento antes que seja submetida a um procedimento de consulta.EFE

VIVENDO NO BRASIL 2

SAÚDE GRIPE

Por que é necessário tomar a vacina da gripe todo ano?

Quando a imunizante entra no organismo, o sistema imunológico reconhece o invasor (Foto: Pixabay)

As vacinas incluem pedaços de patógenos que causam a doença. Este patógeno está morto ou foi modificado para não causar a doença. Isso é feito para chamar atenção do sistema imunológico.

Quando o imunizante entra no organismo, o sistema imunológico reconhece o invasor. Assim, o organismo constrói uma espécie de exército de anticorpos (proteínas no sangue especializadas em lutar contra aquele patógeno específico). Se o corpo encontrar o patógeno real, o exército de anticorpos se livra dele antes de causar a doença.

No entanto, este processo só funciona se o inimigo for sempre o mesmo. Doenças como sarampo e hepatite, por exemplo, não mudam, segundo Ruth Karron, diretora do Centro de Pesquisa de Imunização da Escola de Saúde Pública Bloomberg da Universidade Johns Hopkins. Logo, a vacina não muda. Mas, a situação é diferente com a influenza.

Como todos os vírus, o vírus da gripe tem como objetivo se replicar. O vírus entra numa célula, assume seu controle, desliga a resposta antiviral e usa o equipamento da célula para fazer uma cópia de si mesma. Se o vírus sofrer mutações, ele tem mais chances de não ser impedido pelos anticorpos. Logo, ele tem mais sucesso na hora de se multiplicar.

O genoma do vírus tem oito segmentos separados, incluindo um para proteína HA e outro para NA. Estas proteínas determinam o subtipo do vírus, como H1N1 ou H3N2. Quase todos os subtipos ocorrem em aves, que é o hospedeiro natural do vírus influenza. Se dois subtipos infectarem a mesma célula, os segmentos de gene podem se misturar. Isso geralmente ocorre nos porcos e nas aves.

Os humanos geralmente pegam estas infecções de porcos e aves em lugares como feiras e fazendas, mas estes vírus aviários e suínos não se replicam bem em humanos. No entanto, se um vírus aviário e um vírus humano acabarem numa mesma célula, isso causa uma superinfecção. “Quando isso ocorre, você tem uma pandemia porque a população não tem imunidade contra estes vírus. Então, eles podem se espalhar rapidamente”, explica Scott Hensley, da Universidade de Pensilvânia.

Por que ainda não há uma vacina universal da gripe?

O sistema imunológico não consegue aprender cada possível combinação do HA e NA. Por isso, os cientistas estão tentando desenvolver uma vacina que ensine o sistema imunológico a reconhecer uma parte diferente do vírus. Mas isso é difícil quando o sistema percebe automaticamente as proteínas primeiro.

A equipe de pesquisa de Hensley também descobriu recentemente que cultivar o vírus em ovos para fazer vacinas (forma como muitas das vacinas contra gripe são feitas há décadas) causa pequenas mutações que podem diminuir a eficácia da vacina. Vírus que replicam bem em células de galinha diferem um pouco daquelas que se replicam bem em células humanas.

Ainda não existe uma vacina universal contra gripe, mas tomar o imunizante todo ano significa que seu corpo tem pelo menos uma chance de se preparar contra a enfermidade.The New York Times

PLANETAS EXTRASSOLARES

Quase cem novos planetas extrassolares são descobertos pela Nasa

Além disso, 5,1 mil candidatos a planetas extrassolares também foram identificados (Foto: ESA/Hubble)

Quase cem novos planetas extrassolares – que orbitam estrelas que não são o Sol – foram descobertos, somando um total de 2,4 mil exoplanetas, como também são conhecidos. O anúncio foi feito na última quinta-feira, 15, por uma equipe internacional de astrônomos. A descoberta foi feita graças ao resgate de parte da capacidade do observatório espacial Kepler, da Nasa.

Na missão K2, iniciada em 2014, foram identificados 292 novos planetas extrassolares. O total de exoplanetas descobertos nas duas missões do Kepler, lançado em 2009, foi de 2,4 mil. Além disso, 5,1 mil candidatos a planetas extrassolares também foram identificados, mas ainda estão aguardando a confirmação de análises ou observações adicionais para serem catalogados.

“Começamos analisando 275 candidatos, dos quais 149 foram validados como exoplanetas de fato. E, por sua vez, 95 destes planetas mostraram ser de fato novas descobertas”, explicou o astrônomo americano Andrew Mayo, principal autor do artigo sobre os novos planetas extrassolares e estudante de doutorado no Instituto Espacial Nacional da Universidade Técnica da Dinamarca.

Telescópio Kepler

Lançado em 2009 pela Nasa, o Kepler foi construído para encontrar exoplanetas, buscando por alterações periódicas no brilho de estrelas distantes. Essas mudanças ocorrem pela passagem dos planetas extrassolares na frente das estrelas, causando o fenômeno conhecido como “trânsito” na astronomia. No entanto, essa técnica exige que o telescópio fique continuamente apontado para uma mesma região. Na primeira missão, chamada K1, o telescópio estava apontado para o espaço entre as constelações Lira e Cisne (Cygnus).

Em julho de 2012 um dos giroscópios do Kepler parou de funcionar. Mesmo assim, o telescópio continuou fazendo observações científicas com apenas três deles. Quase um ano depois, em maio de 2013, um segundo giroscópio começou a apresentar falhas. Os técnicos tentaram recuperar um deles durante meses, mas falharam e finalizaram a missão em agosto de 2013.

Missão K2

No entanto, graças a pressão feita pela luz do Sol na lateral do Kepler, os engenheiros da Nasa conseguiram criar um método para usá-la como um terceiro giroscópio. Dessa forma, iniciou-se a missão K2, com o telescópio sendo apontado por cerca de 80 dias – mais do que isso a luz solar poderia destruir os detectores – para uma mesma região do céu. Em seguida, a posição teria que ser modificada para continuar sendo utilizado.

A nova dificuldade encontrada a partir daí foi com o antigo método, pois seria necessário diferenciar as mudanças da “curva de luz” das estrelas que eram provocadas por exoplanetas das modificações feitas por ruídos ou outros fenômenos astronômicos. Sendo assim, a equipe de astrônomos, observando 275 candidatos, chegaram aos novos planetas extrassolares.

“Vimos que alguns dos sinais eram provocados por sistemas estelares múltiplos [com mais de uma estrela] ou ruído da nave, mas também detectamos planetas que vão de um tamanho menor que o da Terra ao de tamanho de Júpiter e até maiores. E planetas na órbita de estrelas brilhantes são importantes porque os astrônomos podem aprender muito sobre eles a partir de observatórios em terra”, destacou Mayo.

Entre as novas descobertas, encontra-se um planeta com um “ano” de apenas 10 dias, tendo ainda como a “estrela-mãe” um astro chamado HD 212657, que, até o momento, é o mais brilhante entre os astros de planetas extrassolares.O Globo

VIVENDO NO BRASIL 3

SAÚDE SARAMPO

Casos de sarampo aumentam em 400% na Europa

A vacina contra o sarampo é muito eficiente (Foto: Pixabay)

No último ano, o sarampo se espalhou pela Europa, causando preocupação pelas baixas taxas de imunização contra doença. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) Europa, houve um aumento de 400% no continente durante 2017, com mais de 21 mil casos e 35 mortes.

Em 2016, houve um recorde de baixa da doença, com apenas 5.273 casos em todo o continente. “Cada nova pessoa com sarampo na Europa nos lembra de que crianças e adultos não vacinados, independente de onde vivem, estão sob risco de pegar a doença e de poder transmiti-la para outras pessoas”, diz Zsuzsanna Jakab, diretora regional da Europa da OMS. “Mais de 20 mil casos de sarampo e 35 mortes apenas em 2017 são uma tragédia que nós não podemos aceitar”.

A doença pode matar ou causar danos de longo prazo. Uma em cada mil crianças afetadas desenvolve encefalite, uma inflamação no cérebro que pode causar surdez ou dificuldade de aprendizagem.

A vacina contra o sarampo é muito eficiente. Segundo a OMS, houve grandes surtos no ano passado em 15 países da Europa. A Romênia foi a mais afetada com 5.562 casos, seguida da Itália com 5.006 e Ucrânia com 4.767 casos. Nestes países, houve declínio na cobertura de rotina de imunização, alguns grupos marginalizados sofreram com a menor cobertura. Além disso, houve interrupções no abastecimento da vacina ou problemas no sistema de vigilância da doença.

Outros países tiveram grandes surtos, como Grécia (967 casos), Alemanha (927 casos), Sérvia (702 casos), Tajiquistão (649 casos), França (520 casos), Rússia (408 casos), Bélgica (369 casos), Reino Unido (282 casos), Bulgária (167 casos), Espanha (152 casos), República Checa (146 casos) e Suíça (105 casos). Muitos deles estavam em declínio no final de 2017.

A confiança na vacina contra sarampo, caxumba e rubéola (MMR, na sigla em inglês) e na imunização em geral está sendo um problema na Europa e nos Estados Unidos depois das alegações desacreditadas do pesquisador Andrew Wakefield, que relacionou a vacina MMR com o desenvolvimento do autismo.The Guardian

CÂNCER INFANTIL

Câncer atinge 300 mil crianças e adolescentes anualmente

Cerca de 80% dos casos são identificados em países de baixa e média renda (Foto: PxHere)

Cerca de 300 mil crianças e adolescentes são diagnosticados com câncer anualmente, segundo dados da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer. Por isso, na última quinta-feira, 15, no Dia Internacional da Luta Contra o Câncer na Infância, a Childhood Cancer International (CCI) chamou a atenção para a necessidade de ações globais para enfrentar a doença.

Aproximadamente 215 mil casos são identificados em crianças com menos de 15 anos, enquanto outros 85 mil se manifestam em adolescentes entre 15 e 19 anos. A campanha da CCI alerta também para a diferença do tratamento ao câncer infantil em países de baixa e média renda, nos quais estão 80% das crianças e adolescentes diagnosticadas com a doença.

“Apesar de o número de crianças com câncer ser bem menor quando comparado à incidência global da doença em adultos, o número de vidas salvas é significativamente maior: as taxas de sobrevivência em países de alta renda chegam a uma média de 84% e estão melhorando de forma consistente mesmo em áreas com menos recursos no mundo onde há apoio local e internacional”, apontou a CCI através de uma nota.

Segundo o comunicado da entidade, países da África, América Latina, Ásia e em alguns locais do leste e sul da Europa, as crianças e adolescentes não têm acesso adequado aos medicamentos essenciais para o tratamento da doença, e nem mesmo aos cuidados necessários.

“Atualmente, o local onde a criança reside muitas vezes determina sua habilidade de sobreviver ao câncer infantil”, concluiu o CCI.

Agência Brasil

PRECONCEITO TATUAGENS

Turistas tatuados passam dificuldades no Japão

No Japão, as tatuagens estão associadas a gangues criminosas (Foto: Pixabay)

Os clientes sentem o cheiro suave de sais de banho de frutas cítricas ao entrarem no hall do spa Thermae-yu, no bairro de Kabukicho, em Tóquio. O cartaz na entrada é claro ao avisar que o spa não aceita clientes embriagados ou com tatuagens. O cartaz, disse Yuichi Ohama, gerente do spa, direciona-se às gangues que circulam pelo bairro cheio de prostíbulos, boates e clubes de strip-tease. Mas a proibição atinge um número crescente de turistas tatuados impedidos de frequentar esses lugares.

No Japão, as tatuagens estão associadas a gangues criminosas. Muitos “yakuzas”, membros de organizações mafiosas japonesas, têm o corpo inteiro tatuado, um sinal que pertencem a uma determinada gangue. Por esse motivo, as academias de ginástica, piscinas públicas e as onsen, as fontes de águas termais, proíbem a entrada de pessoas tatuadas, ou exigem que as tatuagens sejam cobertas para não assustar outros clientes.

Aproximadamente 29 milhões de turistas visitaram o Japão no ano passado, o triplo do número em 2013, atraídos pelo iene barato e poucas restrições à concessão de visto. O governo quer aumentar o número de turistas para 40 milhões até 2020, quando Tóquio irá sediar os Jogos Olímpicos. No entanto, segundo Yuya Ota, da Agência de Turismo do Japão (JTA), o preconceito contra as tatuagens está dificultando a expansão do turismo no país. Mais de um terço dos turistas querem conhecer as fontes de águas termais, mas os spas proíbem a entrada deles por causa das tatuagens.

Em 2013, uma mulher maori que participava de uma conferência sobre línguas autóctones foi proibida de entrar em um spa em Hokkaido por causa de uma tatuagem no rosto tradicional de seu povo. A JTA pediu aos proprietários de spas que reavaliassem a proibição aos estrangeiros, mas uma pesquisa em 2015 mostrou que mais da metade manteve-se firme em sua decisão de proibir a entrada de pessoas tatuadas em seus estabelecimentos. “Ainda há mais clientes japoneses do que estrangeiros e é preciso respeitá-los em suas crenças e preconceitos”, disse Masao Oyama, da Associação de Spas do Japão.The Economist

ASTRONOMIA

Via Láctea não será engolida pela galáxia vizinha, diz estudo

Ainda é necessário muito estudo para saber o que pode, de fato, ocorrer caso as duas galáxias colidam (Foto: Pixabay)

Uma nova pesquisa sugere que a Via Láctea não é tão pequena como se pensava antes nem vai acabar sendo engolida pela galáxia vizinha mais próxima, a Andromeda. Os cientistas, antes achavam que Andromeda era duas ou três vezes maior que a Via Láctea. Mas, na verdade, elas têm quase o mesmo tamanho. O estudo foi publicado no Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Com estas novas informações, os cientistas mudaram sua hipótese do que pode acontecer caso as duas galáxias colidam. Antes, eles pensavam que a Via Láctea seria engolida pela Andromeda. Mas eles não têm mais tanta certeza de que isso vai acontecer, ainda é necessário muito estudo para saber o que pode, de fato, ocorrer.

Os cientistas haviam superestimado a matéria escura em Andromeda. “Examinando as órbitas de estrelas de alta velocidade, nós descobrimos que esta galáxia tinha menos matéria escura do que pensávamos anteriormente”, disse o astrofísico Prajwal Kafle.

A conclusão veio depois que os cientistas analisaram a velocidade para escapar da galáxia. Nós sabemos quanta energia é utilizada para escapar do campo gravitacional da terra, e de quanto seria necessário para sair da galáxia. Desta forma, foi possível fazer o mesmo com Andromeda.Independent

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

MENSAGEM DO DIA

NO PARÁ DO AÇAÍ - FEV 42

VIVENDO NO BRASIL 1

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Reforma da Previdência está oficialmente suspensa

'Nenhuma PEC tramitará, não precisa a oposição entrar com pedido de liminar, absolutamente nada', disse Eunício Oliveira nesta segunda-feira

A reforma da Previdência, "hoje, está suspensa", anunciou o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, após reunião com deputados da base aliada, na tarde desta segunda-feira (19/2). A votação em fevereiro "está fora de cogitação" e, na melhor das hipóteses, o tema será retomada no fim do ano, quando acabar a intervenção federal no Rio de Janeiro, disse o ministro responsável pela articulação política entre o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional. O tema "sai do Congresso e vai para os palanques", declarou.

O motivo é que o governo "vê com preocupação a segurança jurídica da tramitação" da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) durante a intervenção no Rio de Janeiro. O que gera essa insegurança é o fato de a Constituição Federal proibir o emendamento durante intervenções. A suspensão da reforma, nas palavras de Marun, é um "efeito colateral" da intervenção. Juristas alegam que, se a PEC for discutida e aprovada nesse período, ela pode ser posteriormente revogada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Além disso, para votar, "seria preciso suspender o decreto, situação que também é controversa", ponderou o ministro. Diante das possíveis consequências jurídicas, Marun garantiu que o governo não pretende tocar na matéria durante a intervenção. "Não temos previsão de suspendermos o decreto de intervenção nos próximos dias. Sabemos que esse é um trabalho que demandará tempo, e é possível que isso, sim, interrompa a tramitação da PEC da Previdência", explicou.

Mais cedo na segunda-feira, o presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira (MDB-CE), anunciou a suspensão do andamento de todas as PECs na Casa até o fim da intervenção, por entender que a proibição de emendar a CF inclui a tramitação das propostas de mudança à Constituição no Congresso Nacional, não apenas a promulgação. "Meu entendimento é que, prevalecendo a tese defendida pelo presidente Eunício, a PEC não pode tramitar durante a vigência de intervenção", afirmou Marun.

O ministro lamentou que a intervenção tenha criado "um óbice jurídico para a tramitação da reforma da Previdência", mas ressaltou que "o assunto tem a gravidade e a urgência que fizeram com que ela fosse necessária". "A reforma da Previdência é extremamente necessária, mas neste momento existe uma fratura exposta para ser tratada, que é a violência", disse o ministro.CB

OMC BRASIL

Após vitória sobre Indonésia, Brasil deve voltar à OMC contra Japão e Nigéria

Francisco Turra, presidente da ABPA. Foto: Assessoria de Imprensa/ABPA

Em busca de acesso a novos mercados, as maiores associações de produtores de carne do Brasil devem procurar o governo para abrirem novos painéis na Organização Mundial do Comércio (OMC).

“O Brasil não abre mão de seus direitos, então começamos a preparar estudos para acionar a Nigéria. Lá, os donos do poder são os donos da agricultura, eles não querem abrir o mercado por interesses particulares”, afirmou Francisco Turra, presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

A entidade vem de uma recente vitória no órgão contra a Indonésia por conta de medidas protecionistas, o que abriu espaço para o país arrecadar de US$ 70 milhões a US$ 100 milhões, segundo estimou Ricardo Santin, vice-presidente de mercados da ABPA, em coletiva de imprensa em outubro, concedida em Brasília.

Em entrevista à Agência Efe, Turra explicou que o processo contra a Indonésia teve início após reivindicações dos próprios consumidores denunciando um cartel no país, que alavancou o preço da carne de frango para mais de US$ 10 por quilo.

Os países agora se encontram em negociação para o cumprimento das diretrizes da OMC; embora Turra assuma que não se pode prever uma data, a expectativa é que o Brasil consiga exportar para o país ainda em 2018.

Outra entidade que deve ir à OMC é a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), que pretende acionar o Japão.

“A Abiec não tem espaço mais espaço para negociação. A única coisa que nos resta é convencer o governo em abrir um painel contra eles na OMC”, lamentou Antônio Jorge Camardelli, presidente da associação, em coletiva da entidade em dezembro de 2017.


Segundo ele, o país asiático impõe barreiras à carne brasileira, considerada livre de febre aftosa, porém com a necessidade de vacinação.

Na coletiva, Camardelli se mostrou otimista por acreditar que o Brasil queira dar uma resposta após perder para o próprio Japão um painel aberto por conta de incentivos industriais concedidos por programas como o Inovar-Auto – o Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores.

Em entrevista à Agência Efe, Luiz Olavo Baptista, professor da Universidade de São Paulo, especialista em comércio internacional e ex-presidente do Órgão de Apelação da OMC, acredita que a ABPA deve ter mais facilidade com sua demanda do que a Abiec, que terá de enfrentar o que chama de “má imagem”.

“Eles [produtores de carne bovina] nunca fizeram um rastreamento adequado da carne. Não é que eles não queiram detectar a febre aftosa, eles não querem é pagar ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços]”, criticou Baptista; procurada, a Abiec não quis comentar as críticas.

Segundo ele, a partir do primeiro mandato de Dilma Rousseff, o Brasil mudou sua postura no órgão, perdendo poder diplomático e cargos de liderança em diversos órgãos internacionais.

“O perfil do Brasil era de um país correto e cumpridor. E agora, tem ocorrido com frequência medidas protecionistas aqui, por exemplo. O desgaste é grande, tanto que o país não se elegeu mais membros na corte de apelação, nem se cogita. Ficamos reduzidos a uma imagem de gente que não cumpre o combinado”, lamentou.

Com 31 painéis como demandante, 16 como demandado e 114 como “terceiro elemento”, o Brasil é considerado um país bastante ativo na OMC.EFE

COMPORTAMENTO