quarta-feira, 22 de novembro de 2017

MENSAGEM DO DIA



VIVENDO NO PARÁ - NOV 10

VIVENDO NO BRASIL 1

SÓ LEMBRANDO....

NOVA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA

Medida Provisória veta seguro-desemprego a intermitente

Um dos pontos da MP diz respeito ao chamado trabalho intermitente, modalidade nova de trabalho (Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília)

Dias após a nova legislação trabalhista entrar em vigor, o presidente Michel Temer assinou uma Medida Provisória para ajustar alguns pontos das reforma. A Medida Provisória 808 foi assinada na última terça-feira, 14, mas ainda pode ser modificada pelo Congresso.

Um dos pontos da MP diz respeito ao chamado trabalho intermitente, modalidade nova de trabalho. Neste tipo de trabalho, o pagamento é feito de acordo com o tempo de serviço, ou seja, por hora ou dia trabalhado, desde que o valor não seja inferior ao de quem ganha salário mínimo. Além disso, as empresas podem convocar os funcionários apenas quando necessário. Logo, os funcionários podem formar vínculos com outras empresas. Se em determinado mês ele não for convocado, ele não receberá salário nesse período.

A MP também proíbe que o intermitente tenha acesso a seguro-desemprego e muda a concessão de benefícios. O intermitente terá acesso aos auxílios maternidade e doença, mas o processo de concessão será diferente. Diferentemente do contrato tradicional, será o Estado que vai pagar o salário-maternidade para o intermitente. No caso do auxílio-doença, tudo será pago pela Previdência.

Os encargos sociais são calculados com base no valor do contracheque. Como um funcionário na modalidade intermitente pode fechar o mês com uma renda inferior ao salário mínimo, o empregador pode recolher menos que a contribuição mínima ao INSS e ao FGTS. Para contornar o problema, a MP estabelece que os trabalhadores podem recolher a diferença. No entanto, se a pessoa termina o mês com menos de um salário mínimo, dificilmente ela terá dinheiro para pagar essa diferença. Se ela não pagar, não terá direito à aposentadoria nem a concessões como licença médica.

Sindicalistas pretendem convencer o Congresso a mudar a MP. Uma das ideias é que as empresas sejam responsáveis pela contribuição adicional para completar o mínimo exigido pelo INSS.

O documento também estabelece que são necessários 18 meses para que um funcionário deixe de ter um contrato tradicional para ter um de caráter intermitente na mesma empresa. A regra só vale até 2020. A partir daí, será possível demitir e imediatamente recontratá-lo.FOLHA

COMPORTAMENTO





SAÚDE LEUCEMIA

Leucemia tem remissão completa em novo tratamento

A nova técnica foi testada em 21 pessoas, entre crianças e adultos (Foto: Flickr/Massimiliano D)

Um novo tratamento com base na modificação de genes tem se mostrado eficiente no combate ao câncer. Uma pesquisa com a nova técnica, chamada de CART CD 22, obteve uma remissão completa da leucemia. Os resultados foram publicados na última segunda-feira, 20, no jornal científico Nature Medicine.

A nova técnica foi usada em dois grupos diferentes de pessoas com leucemia – que já tiveram algum tipo de tratamento e que ainda não foram tratadas de forma alguma – e obteve sucesso em 73% dos casos.

A pesquisa exemplifica como funciona a terapia genética com ênfase no sistema imunológico. Em um primeiro momento, as células de defesa T são retiradas do organismo para terem seus genes modificados em laboratório. Depois, as estruturas são injetadas novamente nos pacientes, e espera-se que o sistema imunológico tenha aprendido a reconhecer as células cancerígenas e combatê-las.

O novo tratamento utiliza o antígeno CD 22, diferente de outras terapias que usam o antígeno CD 19. Isso porque um antígeno é uma estrutura presente em células doentes e responsável por desencadear uma resposta do organismo. Em um mecanismo similar à “chave-fechadura”, a célula imune (fechadura) se prende a essa estrutura (chave) e a mata. De acordo com a pesquisa, alguns tumores perdem essa estrutura, fazendo com que a doença se torne resistente ao tratamento, algo que ocorre com o antígeno CD 19. Tal fato explica a escolha pelo antígeno CD 22 para o estudo.

A CART CD 22 foi testada em 21 pessoas, entre crianças e adultos, sendo que 17 já haviam sido tratadas com imunoterapia por CD 19. O resultado obtido foi visto com bons olhos pelos cientistas, com a remissão completa em 73% dos pacientes.

Segundo os cientistas, nos 27% dos pacientes que não obtiveram a remissão completa da leucemia foi encontrada uma baixa densidade do CD 22, o que dificultou o tratamento. Isso porque a presença da estrutura ajuda com que a doença seja mantida sob controle.

O estudo mostra ainda que, mesmo que os pacientes tenham sido tratados com outros tipos de terapias, ainda existem outras opções para combater a leucemia. Além disso, de acordo com os autores, esta foi a primeira pesquisa com ênfase no CD 22.G1

SAÚDE VIDA LONGA

Mutação genética aumenta vida humana

Mutação foi encontrada em um grupo Amish, em Indiana, nos Estados Unidos (Foto: Wikipedia)

Uma mutação genética que aumenta a vida humana, deixando-a mais longeva, melhora o metabolismo e diminui o risco de diabetes foi encontrada em um grupo Amish de Indiana, nos Estados Unidos. Segundo os cientistas, as pessoas que têm essa variação podem viver dez anos a mais, morrendo, em média, com 85 anos.

O gene SERPINE1 é conhecido por produzir a proteína PAI-1, que promove o envelhecimento. As pessoas do grupo Amish Old Order que têm a variação genética, que surgiu há seis gerações, carregam apenas metade da quantidade normal da proteína.

Douglas Vaugham e sua equipe, da Universidade Norhwestern, em Chicaco, estudaram 177 pessoas Amish e encontraram 43 membros da comunidade com uma cópia da mutação genética. A partir daí, os pesquisadores analisaram o DNA de cada um, além de alguns sinais de envelhecimento e o comprimento dos telômeros, que ficam nas extremidades dos cromossomos e impedem o desgaste do material genético.

Além disso, os pesquisadores analisaram 221 mortos que, possivelmente, também tinham a mutação genética e por quanto tempo eles viveram. Além de viverem dez anos a mais, os estudos mostraram que os níveis de insulina eram 30% menor, com nenhuma das pessoas com a variação genética tendo desenvolvido diabetes. Enquanto isso, os telômeros eram mais compridos.

Com o resultado dos estudos, drogas que focam na proteína PAI-1já estão em desenvolvimento, inclusive para prevenir ou combater a calvície.O Globo

SAÚDE DIABETES

Cientistas curam diabetes tipo 1 em cobaias

Agora, são necessários novos testes para verificar se os efeitos da terapia se prolongam por mais tempo (Foto: Pixabay)

Cientistas conseguiram reverter com sucesso diabetes tipo 1 em ratos de laboratório, nos Estados Unidos, a partir de células-tronco. O estudo, feito no Boston Children’s Hospital, foi publicado na Science Translation Medicine.

A pessoa com diabetes tipo 1 não produz insulina, o hormônio responsável pela quebra de glicose no organismo. A doença autoimune ocorre porque o sistema imunológico destrói as células produtoras do hormônio.

Os cientistas então usaram a engenharia genética para fazer com que as células-tronco do sangue produzissem o PDL-1, um tipo de proteína ausente em pessoas com diabetes tipo 1. Essa proteína produzida pelo gene CD274 é responsável por impedir que o sistema imunológico ataque as células produtoras do composto. Desta forma, a insulina seria produzida e os níveis de glicose ficariam normalizados.

Para fazer isso, os cientistas infundiram o gene CD274 nas células-tronco responsáveis pela produção de PDL-1.

Quase todos os ratos usados no teste foram curados da doença em curto prazo e um terço manteve níveis normais de açúcar no sangue durante a vida. Como as células-tronco eram dos próprios ratos, isso diminuiu a chance de rejeição.

Agora, são necessários novos testes para verificar se os efeitos da terapia se prolongam por mais tempo. Os cientistas também querem a aprovação dos Estados Unidos para realizar um ensaio clínico em humanos.G1

SAÚDE SONO

Sete razões que te fazem acordar de madrugada

Uma vez desperto, pode ser muito difícil voltar a dormir (Foto: Pixabay)


Seja por conta da ansiedade, da vontade de ir ao banheiro ou por conta de um pesadelo, acordar durante a noite pode ser um problema. Afinal, uma vez desperto, pode ser muito difícil voltar a dormir. Mas por que você está acordando? Confira as sete razões pelas quais isso pode estar acontecendo:

1) Temperatura do quarto

Dormir em um ambiente com a temperatura errada pode ser difícil. O Conselho do Sono, organização britânica, recomenda uma temperatura entre 18 e 21 °C.

2) Você tem eczema

Quem sofre de eczema fica com muita coceira durante a noite. Por isso, dormir se torna uma tarefa complicada. O ideal é consultar um especialista para tratar a doença.

3) Você tem Síndrome das Pernas Inquietas

Quem tem este problema, mexe involuntariamente as pernas. Isso ocorre, normalmente, durante o sono. O problema também afeta os braços, torso, cabeça e outras partes do corpo. Medicamentos de alergia podem piorar a síndrome. A causa da síndrome não é bem conhecida, mas o problema acomete principalmente a população adulta e sua incidência aumenta com o envelhecimento.

4) Seu colchão é muito firme

Dormir num colchão muito firme pode criar pressão no seu quadril, ombros e lombar, segundo o The Times of India. Desta forma, dormir pode ser desconfortável.

5) Você frequentemente precisa fazer xixi

Durante a gravidez, é normal que as mulheres façam mais xixi durante a noite. Mas se você não está grávida e isso acontece muito, você deve ter noctúria (problema que envolve superprodução de urina). Já que para a maioria das pessoas, a produção de urina deve ser menor de noite. Por isso, evite beber muito antes de dormir, principalmente bebidas diuréticas como chá e café.

6) Você está bebendo muito álcool

Você pode achar que algumas taças de vinho podem te ajudar a adormecer, mas isso pode frequentemente interromper seu sono durante a noite. Pare de beber um pouco antes de ir para cama para dar tempo do seu corpo metabolizar o álcool.

7) Você está muito estressado

Se você está muito estressado e isso interrompe seu sono, garanta uma forma de relaxar antes de ir para cama. Ouça uma música calma ou tente um livro de colorir, por exemplo.Independent

VIVENDO NO BRASIL 2

MEIO AMBIENTE

O que não te contam sobre as mudanças climáticas

Poucas instalações são capazes de capturar o gás carbônico que acabaria no ar (Foto: Pixabay)

O Acordo de Paris pressupõe que o mundo vai encontrar formas de absorver o gás carbônico do ar, já que, em cenários realísticos, as emissões de gases do efeito estufa não podem ser reduzidas a tempo de limitar o aumento da temperatura.

Poucas instalações são capazes de capturar o gás carbônico que acabaria no ar, uma prática conhecida como captura e armazenamento de carbono. Essa técnica, no entanto, reduz as emissões, o que dirá revertê-las.

Uma opção seria plantar mais florestas, outra ideia seria aplicar a captura e o armazenamento de carbono nas usinas de biomassa. Ideias mais refinadas também existem. O carbono poderia ser jogado ao ar, usando filtros químicos, e armazenado. No entanto, ainda não se sabe se esta tecnologia pode ser usada a tempo, já que o processo é caro e sua eficácia em grande escala ainda não foi comprovada.

Mudar as práticas da agricultura pode ser mais barato, mas os cientistas duvidam que isso vai retirar os gases emitidos pela agricultura.

Este ano, o Reino Unido foi o primeiro a destinar dinheiro para a pesquisa de tecnologia de baixo carbono. Um grande mercado para o gás carbônico seria uma forma de incentivo para capturar o carbono que está na atmosfera. Mas seus usos ainda são limitados. Subsídios são uma opção. Sem eles, as fontes de energia renováveis não teriam como competir com os combustíveis fósseis.

Enfrentar as lacunas do Acordo de Paris está além de muitos governos. Os Estados Unidos de Donald Trump não estão preparados para reduzir as emissões dos gases. Muitas nações ricas dizem que já estão cortando suas emissões mais abruptamente do que países em desenvolvimento. Na realidade, capturar o dióxido de carbono da atmosfera não é uma alternativa para emitir mais gases do efeito estufa. A não ser que os políticos levem a diminuição das emissões a sério, as promessas de Paris vão continuar vazias.The Economist

CRISE NA VENEZUELA

Ex-procuradora-geral denuncia Maduro ao TPI

A ex-procuradora-geral fugiu da Venezuela no fim de agosto (Fonte: Reprodução/AP)

A ex-procuradora-geral da Venezuela Luisa Ortega denunciou na quinta-feira, 16, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e outros responsáveis do governo ao Tribunal Penal Internacional (TPI).

Luisa Ortega solicitou uma investigação contra o governo Maduro por supostos abusos e torturas, apresentando documentos que comprovariam crimes contra a humanidade cometidos pelo atual governo da Venezuela.

A ex-procuradora-geral fugiu da Venezuela no fim de agosto e está atualmente sob proteção do governo da Colômbia. Ela foi destituída do cargo pela Assembleia Constituinte, sob a acusação de ter cometido “atos imorais”.

Em entrevista coletiva em Haia após entregar um arquivo com mil evidências de abusos e torturas, Luisa Ortega afirmou que “Maduro e seu governo devem pagar pelos delitos de lesa-Humanidade, pela fome, pela miséria”.

De acordo com a ex-procuradora-geral, cerca de 1.767 pessoas foram mortas por policiais e militares em 2015. Outras 4.677 mortes teriam ocorrido no ano passado e nos primeiros seis meses deste ano teriam ocorrido 1.846 assassinatos, ainda segundo Luisa Ortega.

“Também incluímos na denúncia mais de 17 mil prisões arbitrárias e a militarização da segurança, que permitiu o uso de armas de fogo nas manifestações […] Vimos a necessidade de recorrer a esta instância internacional porque na Venezuela não há justiça”, ressaltou a ex-procuradora-geral.O Globo

TENSÃO COREIA DO NORTE

Coreia do Norte ‘condena’ Trump à pena de morte

Durante uma viagem pela Ásia, Trump atacou frequentemente a Coreia do Norte (Fonte: Reprodução/Flickr)

Em editorial publicado o jornal estatal da Coreia do Norte, o Rodong Sinmun, afirmou que o presidente dos EUA, Donald Trump, ofendeu Pyongyang e merece “a pena de morte”.“Os imprudentes comentários soltos por Trump durante sua viagem não podem ser vistos de outra maneira que não a confirmação da hostilidade da Casa Branca contra a República Popular Democrática da Coreia, e como uma declaração de guerra”, ressaltou o jornal.

O editorial diz ainda que “o pior crime pelo qual ele nunca poderá ser perdoado é que ele ousou afetar malignamente a dignidade do nosso líder supremo. Ele deve saber que é apenas um criminoso hediondo condenado à morte pelo povo coreano”.

Em viagem à Coreia do Sul na semana passada, Trump denunciou as violações de direitos humanos na Coreia do Norte e afirmou que o avô de Kim Jong-un, o ex-líder norte-coreano Kim Il-sung, buscava criar um paraíso, mas que seu neto havia transformado Pyongyang em um inferno.

Durante sua viagem pela Ásia, o presidente americano atacou frequentemente a Coreia do Norte, pressionando o governo de Kim Jong-un a acabar com seu programa nuclear e de mísseis.IG

ABORTO TEMA POLÊMICO

Campanha para legalizar aborto ganha força na Coreia do Sul

Apenas 36% dos sul-coreanos querem manter a proibição do aborto (Fonte: Reprodução/AFP)

Em janeiro, So-Yeong, uma aluna do ensino médio, descobriu que estava grávida e se viu diante de um terrível dilema. Ela sabia que o aborto era ilegal e que poderia ser condenada a um ano de prisão se interrompesse a gravidez. Mas também sabia que não poderia ter o bebê se quisesse continuar os estudos. Por fim, contou aos pais. A mãe conseguiu que um médico fizesse o aborto em um hospital, com o pagamento em dinheiro. So-yeong voltou para a escola em março, porém recebeu a notícia que tinha sido expulsa por “dar mau exemplo” a suas colegas.

Em setembro, uma petição enviada ao site do governo pediu ao presidente Moon Jae-in, o primeiro político liberal a ocupar o cargo em dez anos, para alterar a lei de proibição do aborto. A petição também pediu que o governo liberasse a venda do medicamento mifepristona, usado como abortivo nos primeiros meses de gravidez, e vendido em muitos países. “Caro Presidente”, dizia o texto, “a gravidez não desejada é uma tragédia para a mulher, a criança e o país”. O governo havia prometido responder a qualquer petição que tivesse mais de 200 mil assinaturas em um mês. Esta teve mais de 235 mil. “Ficamos surpresos com o entusiasmo das pessoas”, disse Hong Yae-ji da ONG Womenlink.

O aborto é ilegal na Coreia do Sul desde 1953, exceto em casos de estupro, anomalia do feto e risco de vida para a mãe. Porém, durante muito tempo, os governos ignoraram a prática. Muitas pessoas nem sequer sabiam que era ilegal. Segundo estimativas do governo, cerca de 170 mil gestações eram interrompidas por ano.

Mas em 2010 o grupo Pro-Life Doctors começou a denunciar os hospitais que faziam abortos à polícia. Grupos religiosos ricos e com influência política juntaram-se ao movimento de oposição ao aborto. O presidente na época, Lee Myung-bak, um católico devoto, criou uma força-tarefa para garantir a aplicação da lei, não só pela proibição do aborto pela Igreja Católica, como também para aumentar as taxas de fecundidade no país. No entanto, as tentativas foram inúteis e, em 2016, o país registrou o nascimento de apenas 406 mil crianças, o menor número já registrado. Além disso, as medidas de repressão provocaram um aumento de dez vezes no custo de um aborto no período de governo de Lee.

Uma pesquisa recente revelou que só 36% dos sul-coreanos querem manter a proibição do aborto, em comparação com 53% em 2010. O Tribunal Constitucional deve se pronunciar em breve sobre a revogação da lei, com base no argumento que é uma violação injustificável da liberdade pessoal das mulheres.

Seja qual for a decisão do tribunal, as opiniões se dividem. O site do governo recebeu diversas petições a favor da manutenção da lei, embora nenhuma delas com tantas assinaturas como a que pediu a descriminalização do aborto. Lee Jung-mi, do Partido da Justiça, foi uma das poucas deputadas a se pronunciar a favor da revogação da lei. Mas o assunto “ainda não foi discutido abertamente” na Assembleia Nacional, disse. A petição que conquistou tantos adeptos é “apenas o começo”.The Economist

terça-feira, 21 de novembro de 2017

MENSAGEM DO DIA

NO PARÁ DO AÇAÍ - NOV 09

VIVENDO NO BRASIL 1

FIES ...ATENÇÃO GALERA !!!!

Prazo para renovação de contratos do Fies é prorrogado para 30 de novembro


Os estudantes poderão renovar os contratos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) até 30 de novembro. Originalmente, o prazo terminava ontem (20) e foi estendido por mais 10 dias. De acordo com o Ministério da Educação, esta é a última prorrogação do prazo e chance dos interessados em continuar com o financiamento.

A portaria com a prorrogação do prazo será publicada hoje (21) no Diário Oficial da União (DOU).

Até o dia 30 de novembro, os estudantes poderão fazer a transferência integral de curso ou de instituição de ensino e de solicitar mais prazo para uso do financiamento.

O MEC alerta que os contratos do Fies devem ser renovados a cada semestre. Inicialmente, o pedido de renovação é feito pelas faculdades e, depois, os estudantes devem validar as informações no Sistema Informatizado do Fies (SisFies).

"Nos aditamentos simplificados, a renovação é formalizada a partir do momento em que o estudante faz a validação no sistema. Já no aditamento não simplificado – quando há alteração nas cláusulas do contrato, como mudança de fiador –, o estudante precisa levar toda a documentação comprobatória ao agente financeiro", informa o ministério.

Conforme levantamento do MEC, do total de 1,28 milhão de contratos previstos para o segundo semestre deste ano, 1.067.568 alunos já haviam feito o aditamento até a última sexta-feira, o equivalente a 83%.(Agência Brasil)

CIÊNCIA ATLÂNTICO

Brasil se prepara para integrar centro de pesquisas do Atlântico nos Açores

O ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab. EFE/Fernando Bizerra Jr.

O Brasil está se juntando ao esforço para a construção de um Centro Internacional de Pesquisa para o Atlântico nos Açores, que pode começar a operar em 2019, segundo disse à Agência Efe o ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab.

A criação desse centro é uma iniciativa de Portugal, à qual já aderiram Espanha e outros países da União Europeia (UE), assim como Angola, Argentina, Cabo Verde, Colômbia, Estados Unidos, Índia, Nigéria e Uruguai.

Kassab disse em entrevista à Efe que representantes desses países e da Comunidade Europeia se reunirão na próxima semana em Florianópolis para discutir essa iniciativa, que pretende valer-se da posição "estratégica" do arquipélago português dos Açores no meio do oceano Atlântico.

O objetivo do encontro é discutir a formalização desse Centro Internacional de Pesquisa para o Atlântico, batizado como AIR Center (na sigla em inglês) e que congregará diversas instituições científicas dos países participantes.

Segundo Kassab, embora ainda não esteja estabelecida uma data para o início das operações do AIR Center, o "cronograma" que se discutiu até agora aponta para "um prazo de 16 meses", o que leva ao ano de 2019.

"Queremos uma cooperação internacional efetiva, articular as forças de diversos países e promover a troca de experiências e conhecimento em benefício da civilização ", disse o ministro.

Segundo Kassab, a ideia é somar à iniciativa pesquisadores das áreas de ciência, tecnologia e inovação para "promover um olhar realmente integrador do conhecimento" em campos como a mudança climática, energia, ciências oceânicas, espaciais e, com uma maior ênfase, realizar estudos específicos sobre o Atlântico.

O ministro de Ciência e Tecnologia ressaltou que se trata de um projeto "fundamentalmente científico, mas também econômico", pois serão promovidos estudos sobre o potencial do Atlântico em minerais e outras riquezas.

O governo brasileiro, de fato, já investiu cerca de US$ 70 milhões em pesquisas no oceano Atlântico, com as quais tenta determinar o potencial econômico de jazidas minerais situadas fora da sua plataforma continental.

Esses trabalhos foram autorizados pela Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos (IBSA, na sigla em inglês), que, de acordo com a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, que data de 1994, regula a concessão de áreas de pesquisa e eventual exploração nas águas internacionais.

Em função do resultado dessas pesquisas, que incluem estudos de impacto ambiental, o Brasil poderia explorar reservas de ferro, manganês e cobalto situadas a 1.500 quilômetros do litoral do Rio de Janeiro, em uma zona alheia a sua jurisdição marítima.

As jazidas se encontram em uma colina submarina conhecida como Alto Rio Grande, abrangem 3.000 quilômetros quadrados e se calcula que estão a uma profundidade próxima a 4.000 metros.

Até hoje, o IBSA autorizou esses tipos de operações em águas internacionais a um pequeno grupo de países que, além do Brasil, incluem Rússia, Noruega, França, China, Alemanha, Japão e Coreia do Sul, entre outras nações.Eduardo Davis/EFE

ARGENTINA SUBMARINO

Brasil envia embarcações para auxiliar buscas de submarino argentino

Raul Jungmann, em foto de setembro de 2017. EFE/ Antonio Lacerda

Três navios e um avião da Marinha do Brasil se somaram neste sábado à busca do submarino argentina ARA San Juan, desaparecido desde a última quarta-feira nas águas do Atlântico, informou o ministro da Defesa, Raul Jungmann.

Jungman indicou que foram enviados a fragata Rademaker, o navio polar Maximiano e o navio socorro submarino Filinto Perry, este último especializado em operações de socorro de submarinos e mergulhadores.

Segundo o ministro, os três navios e um avião das Forças Armadas "já estão auxiliando nas buscas" do submarino, com o qual as autoridades argentinas perderam contato na quarta-feira.

O ARA San Juan, com 44 tripulantes a bordo, partiu na segunda-feira do porto de Ushuaia e se dirigia à sua base, na cidade de Mar del Plata

As buscas se concentraram em uma área a 430 quilômetros do ponto mais próximo do litoral ao sudeste da península Valdés, na província de Chubut, e delas participam navios de vários países, liderados pela Marinha da Argentina.EFE

R.UNIDO MONARQUIA

Elizabeth II e duque de Edimburgo comemoram bodas de platina

EFE/EPA/Matt Holyoak/CameraPress

A rainha Elizabeth II e o duque de Edimburgo comemoraram nesta segunda-feira suas bodas de platina, aniversário marcado pelo soar dos sinos da Abadia de Westminter, o templo onde a monarca se casou há 70 anos.

Elizabeth II, coroada há 65 anos e a rainha com mais tempo no trono, voltou a alcançar hoje outra marca histórica, ao se tornar a primeira soberana britânica a celebrar bodas de platina.

Por conta deste acontecimento, o palácio de Buckingham, residência da família real, divulgou nesta segunda-feira três fotografias do casal, feitas pelo fotógrafo Matt Holyoak no início deste mês na sala branca do castelo de Windsor.

Nas fotos, a rainha, de 91 anos, aparece com um vestido de Angela Kelly de cor nata, acompanhado de um broche de diamantes e rubis, desenhado pelo joalheiro Andrew Grima, e seu inseparável colar de pérolas de três voltas, enquanto o duque, de 96, vestia um blazer em tom marrom e uma gravata cor bordô.

Em uma das fotos, o duque olha com certo ar de ternura sua esposa, e em outra a rainha aparece sentada em uma grande cadeira dourada enquanto o príncipe Filipe permanece de pé. Na terceira, o casal olha relaxado para a câmera de Holyoak.

Além destas imagens, os correios emitiram selos comemorativos e a Abadia de Westminster, no centro de Londres, badalou seus sinos às 13h.

Ao contrário das bodas de ouro - em 1997 -, quando houve uma missa especial em Westminster, nesta ocasião o casal decidiu comemorar seu aniversário na intimidade do castelo de Windsor, ao oeste de Londres, onde haverá nesta noite um jantar familiar.

Quando se casou, em 20 de novembro de 1947, Elizabeth II era princesa herdeira de 21 anos, e o duque um membro da Marinha Real Britânica de 26 anos, cuja união ajudou a melhorar o ânimo do Reino Unido, que acabava de sair da II Guerra Mundial, quando país estava imerso em um duro regime de racionamento.

Desta união real nasceram os quatro filhos do casal: o príncipe Charles, herdeiro ao trono (1948); a princesa Ana (1950); Andrew, o duque de York (1960), e o príncipe Edward, conde de Wessex (1964).

Elizabeth II e o príncipe Felipe têm, além disso, oito netos - Peter e Zara Phillips, os príncipes William e Harry, as princesas Beatrice, Eugenie e Louise e James Windsor - e cinco bisnetos: Savannah e Isla Philips, Mia Tindall e os príncipes Jorge e Charlotte, estes dois últimos filhos dos duques de Cambridge.

Ao longo destes 70 anos, Elizabeth II e seu marido foram testemunhas de eventos vitais da história do Reino Unido e tiveram que superar juntos momentos que abalaram os alicerces da monarquia, como a separação em 1992 do príncipe de Charles da princesa Diana e a morte desta cinco anos depois em um acidente de trânsito em Paris.

Desde o anúncio de compromisso da rainha, em 9 de julho de 1947, o príncipe consorte foi o apoio permanente da soberana, apesar de suas já muito conhecidas gafes durante alguns eventos oficiais.

Devido à sua avançada idade, o palácio comunicou há alguns meses a aposentadoria do duque da vida pública, embora ele ainda acompanhe Elizabeth II em certas ocasiões.

Naquele 20 de novembro de 1947, os dois se casaram diante de 2 mil convidados em uma cerimônia transmitida pela televisão e oficiada pelo então arcebispo da Cantuária, Geoffrey Fisher, na Abadia de Westminster, o templo anglicano onde, desde o século XII, foram celebrados 16 casamentos reais, o último deles o dos duques de Cambridge, em 2011.EFE

CICLISMO DOPING

Pivô de escândalos de doping no ciclismo, "doutor Mabuse" é preso na França

EPA PHOTO BELGA/Olivier Hoslet

O francês Bernard Sainz, conhecido como "doutor Mabuse", foi interrogado e preso provisoriamente por um novo caso relacionado com o doping no ciclismo amador e semiprofissional, informou nesta segunda-feira o jornal "L'Équipe".

Sainz, de 74 anos, está envolvido em outra investigação devido a um programa de televisão exibido em 2016 e filmado com câmera escondida, no qual ele aparece explicando os protocolos de doping.

Chamado de "Mabuse" em alusão ao maquiavélico personagem popularizado pelo cineasta Fritz Lang, Sainz é suspeito de vários crimes, entre eles incitação e ajuda ao uso de substâncias proibidas no esporte e exercício ilegal da medicina.

Em setembro, ele já tinha sido condenado a uma pena de nove meses de prisão, contra a qual recorreu, e em 2014 a dois anos de prisão - com 20 meses isentos de cumprimento - por casos relacionados com doping na elite profissional no final dos anos 90 e começo dos anos 2000.

O falso médico, que classifica a si mesmo como homeopata e que recebia altos valores pelas fraudes, chegou a colaborar com ciclistas como o belga Frank Vandenbroucke, em cuja residência a polícia encontrou produtos dopantes no início da década de 2000, e como o francês Fabien Taillefer, detido em 2011 com outros ciclistas durante uma investigação de tráfico de corticoides e do hormônio sintético EPO.EFE

VIVENDO NO BRASIL 2

PAPA LÍBANO

Papa reza pela "estabilidade" do Líbano e destaca seu exemplo de respeito

EFE/EPA/Claudio Peri

O papa Francisco declarou no domingo 19, que reza pela "estabilidade" do Líbano para que esse país do Oriente Médio possa "continuar dando uma mensagem de respeito e convivência".

O pontífice fez esta referência após a tradicional oração do Ângelus perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro, a quem manifestou sua mensagem ao "querido povo libanês".

Francisco já havia expressado no passado seu apreço pela amparada que o Líbano oferece aos refugiados que chegam ao seu território, especialmente os procedentes da Síria.

O papa reiterou, além disso, seu apelo à comunidade internacional a favor de "todos os esforços possíveis para favorecer a paz, especialmente no Oriente Médio".

O pontífice lembrou assim os povos que sofrem uma "dolorosa pobreza pelas guerras e os conflitos", no dia no qual foi realizada a 1ª Jornada Mundial dos Pobres.EFE

CHILE PLANTA MILAGROSA

Chile resgata do ostracismo funcionalidades de planta “milagrosa”

EFE/ID

Da raiz à flor, o topinambur tem propriedades “milagrosas”. A planta, que segundo especialistas possui extraordinárias qualidades nutricionais e curativas, há alguns anos foi resgatada do esquecimento por uma empreendedora chilena.

Na cidade de San Vicente de Tagua Tagua, na região rural e a 150 quilômetros de Santiago, mora Rosella Ponce, uma agricultora que descobriu o topinambur quase que por acaso, depois de sofrer uma fibromialgia, síndrome que provoca dor e fraqueza muscular generalizada.

“Comecei a pesquisar e descobri que o topinambur era bom para os meus problemas de saúde e para outros, como a diabetes. Esta planta me ajudou e o sabor dela é muito bom”, afirmou à Agência Efe.

Rico em inulina – um açúcar que não é absorvido pelo corpo -, o tubérculo tem um grande potencial medicinal por também conter lactobacilos e ter propriedades que controlam os níveis de colesterol. Por esta razão, acadêmicos do Centro de Desenvolvimento Industrial (CDTA) da Universidade de Concepción, em Bío-Bío, estão estudando o impacto, os benefícios e o potencial desta planta.

De acordo com o diretor da CDTA, Rudi Radrigán, a alcachofra-girassol – como também é conhecida – funciona como um prebiótico que ajuda à flora intestinal, o que, com o tempo, facilita a absorção dos nutrientes pelo organismo e reduz as dores provocadas pela artrite e pela síndrome do intestino irritável.

Rosella Ponce cultiva a planta graças ao financiamento da Corporação de Fomento (Corfo), uma agência do governo do Chile, vinculada ao Ministério da Economia, que tem a função de apoiar o empreendimento e a inovação. A agricultora também conta com o apoio do governo da região de O’Higgins, onde tem um lote, encravado numa área de terras férteis.

De acordo com engenheiro de alimentos César Quezada, assessor técnico da Nutramore, a empresa que comercializa o produto, a forma de produção também agrega valor.

“A produção é feita de forma limpa, livre de agrotóxicos e com um processo de desidratação a baixas temperaturas, garantindo a preservação dos nutrientes”, ressaltou ele.

O topinambur é original da América do Norte e no início do século 17 foi levado à Europa, onde foi usado como alimento para o gado e para os seres humanos. No século passado, o cultivo foi empregado para atenuar a severa escassez de alimentos após a II Guerra Mundial, tal como ocorreu dois séculos antes quando a batata, natural da América do Sul, foi usada em tempos de crise de fome.

Atualmente, o topinambur, cujas sementes podem ser encontradas no sul do Chile, não dura mais de cinco meses em estado natural. Por este motivo, Rosella Ponce processa o tubérculo em baixas temperaturas para evitar que perca as propriedades e agora consegue disponibilizar a planta em pó e em flocos.EFE

JAPÃO CÂNCER

Método de detecção de câncer com precisão de 90% é criado no Japão

EFE\ Arquivo

Pesquisadores do Japão desenvolveram um teste sanguíneo para detectar câncer e identificar o tipo de tumor com uma precisão de quase 90%, índice superior ao atual para achar marcadores de tumores cancerígenos de próstata e de cólon e do reto.

A criação do método é obra dos centros em Chiba e Kanagawa (ao leste e sul de Tóquio) do Instituto de Pesquisa do Câncer e do fabricante tecnológico Renatech que, se baseando em uma máquina de produção de semicondutores, desenvolveram um equipamento capaz de medir oligoelementos no sangue, informou neste domingo o jornal japonês “Asahi”.

A nova técnica requer só uma pequena amostra de sangue, o que alivia a carga física dos pacientes em relação a outros testes, e consiste na medição e comparação dos níveis de 17 tipos de oligoelementos no plasma sanguíneo, como sódio, ferro e zinco, cuja concentração varia segundo o tipo de carcinoma.

Utilizando o dispositivo, os cientistas analisaram o soro de 960 pacientes com câncer de pâncreas, próstata, cólon e do reto, mama e útero, assim como o de 550 indivíduos saudáveis, conseguindo identificar o tipo de tumor com uma precisão próxima a 90%.

Este índice de acerto é maior que o dos métodos existentes para detectar marcadores de tumores de próstata e cólon, entre 25% e 50%, disseram os pesquisadores, que esperam que o novo método ajude, além disso, a melhorar a detecção de carcinomas uterinos, de mama e pâncreas, para os quais não se têm estabelecido ainda marcadores definitivos, o que complica a sua descoberta.

Além dos tipos de câncer anteriormente citados, a equipe de cientistas está fazendo pesquisas com cânceres de estômago, pulmão, ovário e de outros tipos, com o objetivo de que o método seja capaz de detectar no futuro de oito a dez carcinomas.

Os pesquisadores esperam obter a aprovação correspondente das autoridades para comercializar o novo dispositivo médico em 2019, “após realizar testes em mais pacientes (…) e fazer testes clínicos”, segundo o diretor do centro de pesquisa em Chiba, Hiroki Nagase, ao jornal japonês.EFE

ISRAEL HOLOCAUSTO

Israel deportará filha de sobrevivente do Holocausto que se tornou cristão


Israel deportará a filha de um sobrevivente do Holocausto que tinha pedido a nacionalidade israelense porque seu pai se converteu ao cristianismo, informou nesta segunda-feira o jornal israelense "Haaretz" e confirmaram à Agência Efe fontes oficiais.

A Autoridade de População e Imigração israelense rejeitou o pedido de nacionalidade de Rebeca Floer, uma mulher sueca de 64 anos, alegando que sua solicitação não se encaixa com o estabelecido na Lei do Retorno que permite a qualquer pessoa que tenha um progenitor ou um avô judeu obter a cidadania israelense.

"O avô desta mulher foi um judeu, mas seu pai se tornou ou viveu como um cristão. Segundo a Lei do Retorno, se você muda sua religião, não pode obter a cidadania. E isto afeta todas as gerações posteriores", explicou à Efe Sabin Hadad, porta-voz do organismo de Imigração.

Floer nega que seu pai tenha se convertido à outra religião e assegura que nunca abandonou ou negou o judaísmo e que ela, filha de mãe cristã e que foi batizada quando criança, abandonou o cristianismo e se considera judia.

Além disso, desmentiu que pertence a uma organização missionária evangélica, como alegam as autoridades israelenses, segundo o "Haaretz".

Há dois anos esta psicóloga sueca começou os trâmites para viver em Israel, que visitou pela primeira vez há dez, e apresentou papéis que comprovavam suas raízes judaicas e a morte de familiares no Holocausto.

A psicóloga argumenta que sofreu antissemitismo na Suécia quando era criança e que chegaram a desenhar uma suástica na porta da sua casa, e apela para o que considera um crescente antissemitismo na Europa para que lhe abram as portas de Israel.

No entanto, as autoridades migratórias consideram provado que seu pai se converteu ao cristianismo, rejeitaram sua apelação e determinaram que Floer deve deixar o país até o próximo domingo.EFE

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

MENSAGEM DO DIA






BOA SEMANA

NO PARÁ DO AÇAÍ - NOV 08

VIVENDO NO BRASIL 1

UM OLIMPO A BRASILEIRA....


AUXÍLIO-MORADIA JUDICIÁRIO

Operação da Receita mira benefícios do Judiciário

Juízes que receberem benefício de forma indevida serão autuados (Foto: EBC)

A Receita Federal prepara uma operação que tem como objetivo autuar magistrados que recebem benefícios indevidamente, os chamados “penduricalhos”.

O principal alvo é o auxílio-moradia, que custa R$ 1 bilhão por ano aos cofres públicos e é um dos motivos que fazem o salário dos magistrados ultrapassarem o teto limite para o funcionalismo público de R$ 33, 7 mil, o que equivale aos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

A operação da Receita vai analisar caso a caso, cruzando dados para identificar quem recebe o benefício de forma indevida. Os auditores vasculharão bens de juízes e seus cônjuges para saber se recebem o auxílio mesmo tendo imóvel no local onde atuam. Pelas regras tributárias, se o benefício não é gasto com aluguel, se torna parte do salário, passível de multa e cobrança pelo imposto de renda.

A expectativa é que a força tarefa de auditores conclua o cruzamento de dados até o final deste ano e que a cobrança comece a partir de janeiro de 2018, com base nos pagamentos feitos em 2017. A Receita usará como base para o “pente fino” as declarações de imposto de renda.

Um juiz recebe em média R$ 44,7 mil por mês, o que ultrapassa o teto limite para o funcionalismo. Isso ocorre principalmente por conta do auxílio-moradia. O mesmo ocorre no Ministério Público Federal: este ano, 86% dos procuradores e subprocuradores do órgão receberam mais do que deveriam devido, principalmente, ao auxílio-moradia.Folha de S. Paulo

ESTUDO IMPRENSA

Poder da imprensa é de fato real

Os jornalistas podem se alegrar com as boas notícias (Fonte: Reprodução/AFP)

Malcolm X, um ativista político americano, descreveu a mídia como a mais poderosa entidade na Terra, “porque controlava as mentes das massas”. Alguns jornalistas podem achar esse comentário lisonjeiro, mas estudos com o intuito de quantificar a extensão de sua influência têm sido frustrantes.

Agora, Gary King, da Universidade de Harvard e seus colegas, avaliaram o impacto de matérias publicadas em diversas fontes de notícias no público americano, segundo a análise do conteúdo das mensagens no Twitter. O estudo, “How the news media activate public expression and influence national agendas”, recém-publicado na revista científica Science, mostrou que até mesmo matérias dos sites de notícias que faziam parte do estudo, pequenos em comparação com os jornais New York Times e Washington Post, aumentaram as discussões no Twitter referentes aos temas abordados em cerca de 60%.

Muitos pesquisadores analisaram a questão da influência da mídia, com comparações, por exemplo, com lugares que tinham sinal de rádio ou não. Essas pesquisas, no entanto, enfrentaram a dificuldade comum de distinguir os efeitos, muitas vezes pequenos, da exposição à mídia entre dois grupos com características diferentes. Na pesquisa médica, esse problema é superado com o ensaio clínico randomizado, para verificar a eficácia de um medicamento ou de um tratamento. Nesse experimento os pesquisadores dividem, aleatoriamente, dois grupos de cobaias. Um deles é medicado com o remédio ou recebe o tratamento em estudo, enquanto o grupo de controle é tratado com um placebo. King usou essa abordagem na análise do impacto da leitura das notícias.

Após três anos de conversas com diversos representantes da mídia, 33 veículos de comunicação, desde publicações antigas como Nation, ou a mais recente Huffington Post, a publicações destinadas a públicos específicos, como News Taco, concordaram em participar do estudo. Assim, em 35 ocasiões, entre outubro de 2014 e março de 2016, de dois a cinco veículos, em datas diferentes, publicaram artigos simultâneos sobre um dos 11 grandes temas, como raça, imigração e mercado de trabalho, isto é, notícias triviais, durante duas semanas consecutivas.

Os pesquisadores analisaram os comentários no Twitter com a ajuda da Crimson Hexagon, uma empresa cofundada por King em Boston, que usa técnicas de aprendizado de máquina para classificar os assuntos e os sentimentos expressos nas mensagens. Nos seis dias após cada período de publicação, havia 13 mil postagens sobre o assunto abordado nas matérias, um número maior do que na segunda semana. Ou seja, um aumento de 10% no volume semanal típico de postagens referentes a assuntos mais amplos.

É claro, é um número pequeno em comparação com a atividade intensa no Twitter causada por programas de televisão populares ou eventos importantes. Os episódios da série “The Walking Dead” resultam em mais de 500 mil tweets. O Twitter recebe mais de 10 milhões de mensagens nas cerimônias de entrega do Oscar. No entanto, o estudo comprovou o impacto da mídia nos leitores.

Mas os usuários do Twitter não são representativos do público em geral. Três quartos dos americanos não usam o serviço de mensagens. Os pesquisadores, porém, descobriram efeitos semelhantes em usuários de diferentes sexos, pontos de vista políticos e lugares de moradia distintos, o que revela resultados consistentes diante da diversidade. Os jornalistas podem se alegrar com as boas notícias. O poder da imprensa é de fato real.The Economist

ESTUDO AMAMENTAÇÃO

Amamentação reduz risco de eczema

OMS orienta que mães amamentem seus filhos com leite materno durante os primeiros meses (Foto: Flickr/Flávio Correia Lima)

Um assunto que ainda é tratado como tabu é a amamentação. No entanto, a prática tem se mostrado bastante eficiente no que diz respeito à redução de risco de eczema em crianças. Ao alimentar os recém-nascidos com apenas leite materno durante os seis primeiros meses de vida, o risco de eczema é reduzido em 54%, segundo novos estudos.

As pesquisas reforçam a orientação que a Organização Mundial da Saúde (OMS) faz há anos, sugerindo que as mães alimentem seus filhos exclusivamente com leite materno durante os seis primeiros meses de vida. Isso porque o alimento é fonte de nutrientes e previne contra alergias e infecções.

No entanto, devido à vergonha em amamentar em público, falta de tempo e por se sentirem assediadas com determinados olhares, muitas mães abandonam a amamentação ainda cedo, substituindo por outro tipo de alimentação. No Reino Unido, por exemplo, apenas 1% de lactantes alimentam seus filhos exclusivamente com leite materno pelos primeiros seis meses.

Um estudo aponta que as crianças as quais as mães frequentavam hospitais com programas que incentivavam a amamentação tiveram uma redução de risco de eczema em 54% durante a adolescência.

O coautor da pesquisa, Carsten Flohr, do King’s College London, explicou que os estudos começaram na década de 1990, na Bielorrússia, em 31 maternidades, cada uma com um ambulatório. Os hospitais foram separados aleatoriamente entre os que continuariam da forma habitual, enquanto outros participariam de programas de amamentação, treinando enfermeiros, parteiros e médicos para apoiar e encorajar as mães a amamentarem.

A partir daí, os recém-nascidos foram acompanhados ao longo dos anos em vários aspectos, observando o efeito da amamentação na função pulmonar, asma e desenvolvimento de eczema. Dessa forma, além do relatório preenchido, eram feitos exames de pele e um teste de respiração para verificar a saúde pulmonar.

Os resultados, que foram coletados de 13.557 jovens de 16 anos, mostraram que apenas 0,3% das pessoas as quais as mães frequentaram hospitais e clínicas que participaram da iniciativa de amamentação foram encontrados com sinais de eczema, enquanto 0,7% das crianças das mães que receberam cuidado padrão demonstraram os mesmos sinais.

Mais análises sobre os resultados coletados mostraram que a amamentação exclusiva por mais de três meses não causou benefícios adicionais para a prevenção da eczema. Porém, os autores do estudo notaram que a eczema é menos comum na Bielorrússia do que em outros países da Europa Ocidental ou América do norte.

Presidente da ala de pediatria e saúde e infantil do Royal College, a professora Neena Modi afirmou que o novo estudo demonstrou que a amamentação traz benefícios à saúde, mas destacou que as mães que não assumirem a prática não devem ser demonizadas pelas suas atitudes.

Porém, o professor de pediatria Hans Bisgaard, da Universidade de Copenhage, na Dinamarca, diminuiu a importância da amamentação na prevenção da eczema, afirmando que a prática não pareceu demonstrar grande papel, lembrando que as crianças que não desenvolveram eczema podiam não ter a condição.

Já a especialista em nutrição infantil da Universidade de Swansea, no País de Gales, Dr. Amy Brown, destacou a importância e o detalhamento do estudo sobre a amamentação para prevenir a eczema. “É particularmente interessante que este estudo tenha analisado a saúde na adolescência, o que significa que o aleitamento materno protege as crianças a longo prazo, em vez de simplesmente quando estão sendo amamentados”, afirmou Brown.The Guardian

COLÔMBIA FARC

Farc se consolidam como partido político

Ex-movimento de guerrilha anunciou seus candidatos às eleições de 2018 (Foto:)

A chuva de granizo em Bogotá em 1º de novembro foi o segundo acontecimento estranho do dia na capital da Colômbia. O primeiro ocorreu em uma sala de conferências de um hotel, onde o partido político das Farc, Força Alternativa Revolucionária do Comum, que mantém o acrônimo da organização de guerrilha, anunciou seus candidatos para as eleições presidenciais e parlamentares em 2018. À frente do logotipo do partido – uma rosa com uma estrela vermelha no centro – seus líderes esforçaram-se para manter uma aparência de políticos como tantos outros no país. Imelda Daza, a candidata a vice-presidente, prometeu fazer um governo mais inclusivo para eliminar a pobreza, a fome e a dificuldade de acesso à educação.

Para a maioria dos colombianos o ex-movimento de guerrilha marxista-leninista das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia foi responsável pela morte de mais de 200 mil pessoas em 52 anos de conflito armado. O candidato a presidente do novo partido, Rodrigo Londoño, o Timochenko, o antigo líder das Farc, é procurado pelo governo dos Estados Unidos por tráfico de cocaína, sequestro e assassinato. As Farc constam da lista de organizações terroristas do Departamento de Estado dos EUA.

A candidatura de antigos membros das Farc provoca um sentimento de indignação entre a maioria dos colombianos. Embora Timochenko não tenha chance de vencer as eleições, outros líderes das FARC serão eleitos para o Congresso. O partido tem pelo menos dez assentos garantidos nas duas próximas eleições. Permitir que líderes guerrilheiros ocupem cargos públicos significa um incentivo à impunidade e à ilegalidade, disse Iván Duque, senador do partido conservador Centro Democrático.

Os que se opõem à atuação política dos antigos membros das Farc estão organizando um movimento para criar um Tribunal Especial para a Paz (JEP), com autoridade para condená-los a até oito anos de liberdade condicional, o que os tornaria inelegíveis até o cumprimento da sentença.

A participação política foi o preço pago pelo governo colombiano pelo acordo de paz. As Farc cumpriram o acordo. Em agosto, os 7 mil guerrilheiros entregaram suas armas. Segundo estimativas, o fim do conflito poupou a vida de 3 mil pessoas desde meados de 2016.

A implementação do processo de paz e a inserção dos membros das Farc na sociedade causariam, inevitavelmente, problemas, mas um governo fraco é o maior culpado pelas dificuldades. Algumas áreas controladas pelas Farc foram ocupadas por grupos paramilitares, como o ELN e ex-guerrilheiros das Farc, sem que o governo pudesse impedi-los. O plano de ajudar os produtores de coca a cultivar outros produtos agrícolas está progredindo lentamente. E os protestos recentes de populações indígenas e de camponeses têm provocado tumultos.

O futuro da Colômbia seria mais claro se os políticos admitissem a ideia que os líderes das Farc não são mais terroristas e que têm direito a exercer seus direitos de cidadãos. Timochenko e seus companheiros merecem o desprezo dos colombianos. Mas a melhor maneira de mostrar esse sentimento de repulsa é não votar neles.The Economist

DETERMINAÇÃO JUDICIAL

Criador do Instituto Inhotim é condenado à prisão

Bernardo de Mello Paz começou a idealizar o Instituto Inhotim nos anos 80 (Foto: Flickr/Ministério da Cultura)

O criador do Instituto Inhotim, Bernardo de Mello Paz, foi condenado pela Justiça a 9 anos e 3 meses de prisão por lavagem de dinheiro na época em que foi proprietário do conglomerado Itaminas, entre 2007 e 2008. Além de Bernardo, Maria Virgínia de Mello Paz, irmã do empresário, também foi condenada por participação no mesmo crime, tendo a sentença de 5 anos e 3 meses em regime semiaberto.

Apesar da decisão da juíza federal Camila Franco e Silva Velano, os advogados de Bernardo e Maria Virgínia negam as acusações e já recorreram da sentença, que foi publicada em setembro, mas apenas tornada pública pelo Ministério Federal em Minas Gerais na última quinta-feira, 16.

De acordo com a denúncia, apresentada em 2013, Bernardo e Maria Paz praticaram lavagem de dinheiro de ativos das empresas do conglomerado Itaminas, composto por 29 empresas, escondendo a origem de recursos provenientes de sonegações.

A venda da Itaminas, envolvendo outras empresas, entre elas, a Horizonte Ltda, para uma estatal chinesa por US$ 1,2 bilhão chamou a atenção do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), ligado ao Ministério da Fazenda, que passou a observar as negociações. O negócio tinha o objetivo de liquidar dívidas dos sócios estipuladas em US$ 400 milhões.

A Horizonte Ltda foi criada com a intenção de manter o Instituto Inhotim a partir de doações de outras empresas, e repassou, a outras empresas de Bernardo Paz, pelo menos, US$ 95 milhões que eram destinados ao Instituto.

Advogado de Bernardo e Maria Paz, Marcelo Leonardo afirma que as condenações são injustas e todas as movimentações são alterações financeiras regulares. “Ele é inocente, a decisão é injusta, por isto nós já recorremos para o Tribunal Regional Federal da Primeira Região, onde a gente espera que a decisão seja revertida e ele, absolvido”, explicou o advogado.

Instituto Inhotim

Um dos maiores centros de arte da América Latina, o Instituto Inhotim começou a ser idealizado na década de 1980 por Bernardo de Mello Paz. Construído em uma fazenda do empresário em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte, o instituto se tornou um dos mais relevantes acervos de arte contemporânea do mundo, além de uma coleção botânica que reúne espécies raras de diferentes continentes.

O instituto, que está funcionando normalmente, divulgou uma nota através do seu site na última quinta-feira, esclarecendo que “é uma instituição sem fins lucrativos, qualificada pelo governo estadual como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip), sem ligação com as empresas de Bernardo Paz, não respondendo ou participando, portanto, de nenhuma questão de âmbito pessoal que o envolva”.

Ademais, o Inhotim relembra que todas as contas do instituto são públicas e são frequentemente verificadas pelo Ministério da Cultura, além de contar com processos de auditoria de terceiros. Por fim, ainda em nota, afirma que “é mantido com recursos de doações de pessoas físicas e jurídicas, de maneira direta e incentivada, com amparo na Lei Federal e Estadual de Incentivo à Cultura”.Folha de São Paulo


MEIO AMBIENTE MOSCA

A importância das moscas

Sem as moscas não haveria chocolate, por exemplo (Foto: Pixabay)

Para cada pessoa na Terra, estima-se que haja 17 milhões de moscas. Elas polinizam as plantas, consomem corpos em decomposição, comem o lodo dos dutos de drenagem, danificam cultivos, espalham doenças, matam aranhas e caçam libélulas. Algumas até perderam suas asas para viver exclusivamente do sangue dos morcegos.

Erica McAlister, que trabalha no Museu de História Natural de Londres e é autora de “The Secret of Flies”, quer lembrar ao mundo a importância das moscas.

Sem elas, por exemplo, não haveria chocolate, já que é um tipo de mosca que poliniza o cacau. O fascínio de McAlister em relação às moscas começou na infância. Ela pegava moscas e as inspecionava no seu microscópio, presente de seus pais.

Muitas moscas nos fazem um enorme serviço ao limpar diferentes tipos de detritos biológicos. Também há aquelas que se alimentam de corpos mortos, de ratos, de humanos e todo o resto.

Além disso, é fácil trabalhar com as moscas. Historicamente, elas forneceram muito do conhecimento sobre genética moderna. E agora, elas podem servir para o estudo da neurociência.

McAlister faz sua parte para tentar recrutar uma nova geração de amantes de moscas para resolver os mistérios destes insetos. Até hoje, por exemplo, não se sabe quantas espécies existem no mundo.The New York Times

VIVENDO NO BRASIL 2

ALEMANHA COALIZÃO

Dificuldade para formar coalizão ameaça mandato de Merkel

Caso a coalizão não se confirme, a chanceler pode convocar novas eleições (Foto: Wikimedia)

Sete semanas após ser novamente eleita chanceler da Alemanha, Angela Merkel ainda não conseguiu superar diferenças com potenciais parceiros para formar uma coalizão. Em meio a divergências entre legendas e risco de novo pleito, o prazo para montar a coalizão foi prorrogado para a tarde sexta-feira, 17.

Desde que Merkel foi reeleita em setembro deste ano o seu partido, o conservador União Democrata-Cristã, já admitia a possibilidade de formar uma coalizão para o governo. Na última quarta-feira, 15, a legenda iniciou conversas formais com seu partido aliado na Baviera, União Social Cristã, com o Partido Liberal Democrático e o Partido Verde.

No entanto, as legendas ainda seguem com divergências em vários temas, como clima e migração, o que torna as negociações complicadas. Outros pontos de discussão são a proteção do meio ambiente, transportes e política energética, que causam atritos entre os quatro partidos.

Apesar de terem feito uma pausa nas conversas (que serão retomadas ainda nesta tarde), o presidente do Partido Liberal Democrático, Christian Lindner, segue otimista e acredita em um desfecho favorável nas próximas horas. “Decidimos que devemos usar os próximos dias para superar as diferenças remanescentes. Um projeto tão histórico como esse não deve fracassar por conta de algumas horas perdidas”, declarou o líder dos liberais a repórteres.

Já Michael Kellner, do Partido Verde, destacou manteve um discurso cauteloso após as conversas. “Nada foi acertado, nada foi decidido”, disse Kellner.

A decisão dos conservadores de formar uma aliança com liberais e verdes se deu após o Partido Social-Democrata ter anunciado que deixaria de apoiar Merkel e que faria oposição ao governo. Caso a coalizão não se confirme, a chanceler pode estar diante, pela primeira vez, da necessidade de convocar novas eleições no país.DW

NO SÉCULO XXI...VIDAS À VENDA

Líbia se torna ponto de leilão de escravos

Segundo a CNN, leilões ocorrem em pelo menos nove cidades líbias Foto: Reuters)

“Garotos grandes e fortes para trabalhar na fazenda”, anuncia um homem, em um leilão de homens negros. “Alguém precisa de um escavador? Este é um escavador, um homem forte e grande. 500, 550, 600, 650 dinares”, diz ele, referindo-se aos homens como “mercadorias”. Em menos de dez minutos, dez homens são vendidos.

A cena, que remete ao tráfico de escravos do século XVI, na verdade, foi flagrada em outubro deste ano, na Líbia, por uma reportagem investigativa da CNN. A emissora recebeu de uma fonte um vídeo de um leilão ocorrido no mesmo local e enviou uma equipe munida de câmera escondida para acompanhar o evento.

Após o leilão, os jornalistas tentaram falar com o responsável pelas vendas, que não quis tecer comentários. Dois homens vendidos também foram abordados pela equipe, mas, em estado de choque, também não falaram. Um deles foi vendido por 650 dinares (cerca de R$ 1 mil).

Segundo a CNN, leilões como esse ocorrem em pelo menos nove cidades líbias. A prática é tão comum que costuma ser feita ao ar livre. Os leilões fazem parte de uma complexa rede de tráfico de escravos que surgiu na esteira do combate europeu à crise de imigração e hoje são amplamente ignorados pelo Ocidente.

Em 2011, a chegada da Primavera Árabe na Líbia deu início a protestos massivos que resultaram na captura e morte do ditador Muammar Khadafi, que governou o país sob um regime autoritário por mais de 40 anos. O embate entre rebeldes e as forças de Khadafi deram início a uma guerra civil. Tropas da Otan interviram o conflito atacando os soldados de Khadafi, que enfraquecido fugiu para Sirte, sua cidade natal, onde foi capturado e linchado até morte por rebeldes.

Nos anos que se seguiram, a Líbia foi tomada pelo caos. Abandonada pelo Ocidente, ela se tornou palco de disputa de interesses entre grupos políticos e étnicos que foram reprimidos durantes as décadas da ditadura de Khadafi. Completando o cenário caótico, está o Estado Islâmico, que acuado na Síria e no Iraque estuda o país como uma nova base para suas operações.

Somente em 2015, a Líbia retomou a atenção do Ocidente por conta da crise de refugiados na Europa. O país se tornou um ponto de atração para refugiados que buscavam migrar para a Europa fugindo de conflitos civis ou em busca de melhores condições econômicas. O fluxo de refugiados logo chamou a atenção de milícias e outros grupos locais que deram início a uma rede de tráfico de seres humanos promovendo a arriscada travessia entre o norte de África e a Europa.

Em fevereiro deste ano, a Itália e o governo de unidade líbio apoiado pela Otan firmaram um acordo de US$ 236 milhões para reduzir o fluxo de imigrantes que partia da Líbia para a Europa. Como parte do acordo, a guarda costeira italiana treinou a guarda costeira local para interceptar barcos transportando imigrantes e trazê-los de volta para a Líbia.

O acordo reduziu drasticamente a imigração na Europa, mas criou um acúmulo de imigrantes na Líbia. Sem dinheiro, sem ter para onde ir, a quem recorrer e em débito com os traficantes, esses refugiados passaram a ser vendidos como escravos. Alguns conseguiram escapar após ter o resgate pago pela família e relataram o ciclo de abusos, denunciado pela Organização Internacional para Migrações (OIM) em abril deste ano.

A prática também foi denunciada pelo fotógrafo Narciso Contreras, vencedor do prêmio Carmignac Photojournalism em 2016. Contreras viajou pela Líbia no intuito de registrar a crise. O trabalho resultou na exposição Libya: A Human Marketplace, que exibiu os registros fotográficos de Contreras sobre o comércio humano na Saatchi Gallery, em Londres.

“O que eu descobri lá foi um mercado de escravos. É como uma indústria, mas o mundo vê a Líbia como um país de trânsito. […] A crise humanitária de imigrantes que tentam chegar à Europa é bem documentada, e é uma história que as autoridades líbias querem contar. Mas o vasto mercado de venda de seres humanos é largamente não documentado”, diz Contreras, em entrevista à Reuters (confira aqui a entrevista na íntegra).The Guardian

TECNOLOGIA SOFTWARE

Software ajuda a coibir lavagem de dinheiro

O software AML examina vários sinais que lhe permite detectar irregularidades (Foto: Pixabay)

Preocupados, sem dúvida, com a sobrevivência, os traficantes de drogas são pontuais em seus pagamentos. Para as empresas de software, essa pontualidade é uma das muitas pistas que indicam uma operação ilícita de lavagem de dinheiro. O software AML (Anti-money laundering) de prevenção e combate à lavagem de dinheiro, monitora transações financeiras e cria listas de pessoas com mais probabilidade de fazer essas operações ilícitas de transferência de receitas de origem fraudulenta para a economia formal.

Segundo estimativas da empresa de pesquisa Celent, as instituições financeiras gastaram cerca de US$825 milhões neste ano com a compra e funcionamento desse software, em comparação com US$675 milhões no ano passado. Na opinião da Technavio, o mercado é ainda maior e crescerá em mais de 11% ao ano nos próximos anos, em razão da intervenção das autoridades em instituições que cometem irregularidades. Este ano, o Deutsche Bank foi multado em US$827 milhões por lavagem de dinheiro. O rigor do controle e da punição não se aplica apenas às instituições e envolve também seus funcionários.

O número de normas e diretrizes de prevenção e combate à lavagem de dinheiro aumentou cerca de 10% nos Estados Unidos, no Canadá e na União Europeia (UE), e em torno de 15% na Austrália, Hong Kong, Malásia e Cingapura, disse Neil Katkov, um analista da Celent.

David Stewart, diretor do sistema de combate a essa prática fraudulenta na empresa de tecnologia SAS, com sede na Carolina do Norte, avalia que os esforços para cumprir esses regulamentos correspondem a cerca de 70% da despesa da maioria dos bancos. Uma pesquisa realizada este ano pela empresa de consultoria Duff & Phelps revelou que as instituições financeiras gastam cerca de 4% da receita no cumprimento das normas legais e regulamentares, um percentual que deverá chegar a 10% em 2022.

O software AML examina vários sinais que lhe permite detectar irregularidades. As quantias redondas são motivo de suspeita. O aumento dos volumes de transações e valores também inspira desconfiança, assim como o dinheiro que é depositado em uma conta corrente em várias agências bancárias. Os investimentos na área cultural também são investigados. O software também rastreia a atuação dos escroques que movimentam grandes somas de dinheiro por meio do roubo de dados de documentos de identidade de idosos e jovens, disse Michael Kent, executivo-chefe da empresa de transferência de dinheiro Azimo.

O software AML360 de uma empresa de Cingapura destina-se a detectar irregularidades nas transações comerciais. Segundo o CEO da empresa, Daniel Rogers, o software monitora “um quebra-cabeça” de fatores como os itinerários dos navios, a localização dos produtores de commodities e as flutuações nos preços. O software descobre se uma empresa importa aço inoxidável caro, apesar de ter uma fonte de importação mais barata, ou se a importação de cobre aumenta à medida que o preço diminui.

Os programadores estão estudando meios de aumentar a quantidade e o tipo de dados que o software AML examina. Em 2016, a SAS lançou o software Visual Investigator desenvolvido a um custo de US$1 bilhão. O software conecta as transações financeiras a mensagens de texto e imagens de redes sociais. Assim, seria possível descobrir se os grandes depósitos em dinheiro dos restaurantes são compatíveis à quantidade dos pedidos recebidos online.

A automação pode substituir o trabalho dos seres humanos? A empresa de consultoria alemã Berlin Risk, que investiga o caráter, a procedência e a administração dos rendimentos de uma pessoa por meio de conversas com cerca de 20 pessoas que a conhecem, faz um trabalho de análise psicológica do comportamento e da interação desse grupo com o objeto da investigação. Como Carsten Giersch, sócio sênior da empresa argumentou, “Nunca veremos um robô entrevistando fontes”. Ou esse será o próximo passo da evolução da tecnologia?
The Economist

FRANÇA ECONOMIA

A falta de manteiga na França

A manteiga é o ingrediente vital para a cozinha francesa (Foto: Pixabay)

A visão de prateleiras vazias em supermercados é comum em países como Zimbábue e Venezuela, mas seria inimaginável na França. No entanto, nas últimas semanas, os franceses que querem comprar manteiga deparam-se com frigoríficos vazios e desculpas dos gerentes dos supermercados.

Os artigos na imprensa dizem que é a pior crise de escassez de manteiga desde a Segunda Guerra Mundial. No hashtag #beurregate, os usuários de redes sociais fazem piadas a respeito da venda de pequenos pacotes de manteiga, ou até mesmo de uma fatia de torrada com manteiga, a preços tão absurdos que o metabolismo das pessoas se altera só com a sugestão da ingestão do excesso de gordura. O ingrediente é vital para a cozinha francesa. Um quarto do peso de um croissant, por exemplo, é resultado do uso da manteiga em sua fabricação. Os franceses são os maiores consumidores ​​de manteiga, além de grandes produtores. Então, por que a manteiga desapareceu das prateleiras dos supermercados franceses?

Em 2015, a União Europeia (UE) eliminou um sistema de cotas para os produtores de leite, com o objetivo de reduzir os subsídios e estimular o livre mercado. Além disso, os pequenos produtores de leite na França sofreram com um período de preços baixos. Alguns encerraram sua produção. Ao mesmo tempo, a demanda global por manteiga mudou. “A China descobriu os croissants”, disse Emmanuelle Auriole, da Toulouse School of Economics. No Ocidente os hábitos alimentares também estão mudando. O açúcar é o grande vilão para a saúde, enquanto o leite integral, a manteiga e o queijo são considerados alimentos saudáveis. A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) registrou um aumento de 27% nos preços dos laticínios em setembro. Segundo a Bloomberg, o preço da venda por atacado de manteiga na Europa no mês de setembro em um total de €6,500 (US$7,750) por tonelada, foi um recorde desde a primeira coleta de dados há 17 anos.

Entretanto, os consumidores franceses estão privados de um dos seus alimentos preferidos, em razão de um mercado de varejo local menos competitivo do que em outros países. Como apenas um pequeno número de grandes supermercados domina o mercado, os preços para os fornecedores de muitos produtos são fixados só uma vez por ano, disse Auriole. Na Alemanha, os preços da manteiga aumentaram 72% do início deste ano até agosto e os produtores também tiveram reajustes proporcionais em seus pagamentos. Porém, os preços da venda de manteiga na França tiveram um aumento de apenas 6% no mesmo período. Não causa surpresa, portanto, que os produtores franceses prefiram exportar manteiga, em vez de atender à demanda local.The Economist

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

HAPPY HOUR


PENSAMENTO DA SEXTA


NOSSO SOM





NO PARÁ DO AÇAÍ - NOV 07

Hora da chuva - Bairro da Cidade Velha - Belém do Pará

VIVENDO NO BRASIL 1

BENEFÍCIO DA CÂMARA


Deputados cassados recebem aposentadorias de até R$ 23 mil

Benefício é pago por um plano de Previdência que é abastecido, em parte, por recursos públicos (Foto: ABr)

Nove deputados federais que foram cassados por envolvimento em esquemas de corrupção ou improbidade administrativa recebem aposentadorias da Câmara que variam de R$ 8.755,38 a R$ 23.344,70 por mês. A informação é do jornal Estado de S. Paulo. O benefício é pago por um plano de Previdência que é abastecido, em parte, por recursos públicos.

Ao todo, as aposentadorias somam R$ 126.960,94 e o pagamento não é ilegal. Dos que recebem o benefício, cinco foram cassados por envolvimento no escândalo dos “anões do Orçamento” – grupo envolvido em fraudes com recursos da União na década de 1990 – e dois por conta do mensalão.

O petista José Dirceu pode ser o próximo parlamentar a receber o benefício, após a área técnica avaliar na semana passada que o deputado cassado tem direito a uma aposentadoria de R$ 9.646,57 por mês. Dirceu teve o mandato cassado em 2005, em decorrência do mensalão, e foi condenado a 30 de prisão na Operação Lava Jato. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, decidirá se ele receberá a aposentadoria ou não.

O maior benefício, de R$ 23.344,70, é pago a Roberto Jefferson (PTB-RJ) – deputado cassado em 2005 no escândalo do mensalão. O ex-deputado Pedro Corrêa (PP-PE), que teve o mandato cassado em 2006, também no mensalão, e foi preso na Operação Lava Jato, recebe aposentadoria de R$ 22.380,05.

Além dos parlamentares, a Câmara paga uma pensão de R$ 937 à viúva de Francisco Pinto (MDB-BA). Morto em 2008, ele perdeu o mandato ainda no regime militar. Na época, o parlamentar perdeu seus direitos políticos após fazer um discurso na Câmara contra o ditador chileno Augusto Pinochet, que estava no Brasil para a posse do general Ernesto Geisel, em 15 de março de 1974.

Desde que o Instituto de Previdência dos Congressistas (IPC) – entidade que era responsável pelas aposentadorias dos parlamentares – foi extinto em 1999, os benefícios são pagos pela Câmara no Plano de Seguridade Social dos Congressistas (PSSC). O plano prevê o pagamento de aposentadoria proporcional ao tempo de mandato do parlamentar e recebendo uma cota equivalente à paga pelo contribuinte à entidade, em uma regra semelhante a das entidades de previdência privada.

Ao Estado de S. Paulo, os parlamentares rejeitaram o rótulo de “privilegiados” e defenderam que têm direito a receber o benefício por terem contribuído mensalmente com o plano. Atualmente, o teto da Previdência Social para aposentadoria do trabalhador da iniciativa privada, pago pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), é de R$ 5.531,31.Estado de S. Paulo