sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

HAPPY HOUR


PENSAMENTO DA SEXTA


NOSSO SOM









NO PARÁ DO AÇAÍ - DEZ 24

VIVENDO NO BRASIL 1

STF X TEMER

STF suspende parcialmente decreto de Temer sobre indultos de Natal

Decisão liminar de Cármen Lúcia será ainda analisada pelo ministro Barroso e pelo Plenário do STF

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, concedeu nesta quinta-feira (28) liminar que suspende parcialmente o decreto assinado pelo presidente Michel Temer na última sexta-feira (22), que deixou mais brandas as regras para o perdão da pena de condenados por crimes cometidos sem violência ou ameaça, como corrupção e lavagem de dinheiro.

Na decisão, que ainda deverá ser levada ao relator do caso, ministro Luis Roberto Barroso, e depois ao Plenário do Supremo, Cármen Lúcia suspendeu a diminuição para um quinto o tempo de cumprimento da pena para que o preso possa receber o benefício. A presidente do STF também o ponto do decreto que livra o detento beneficiado do pagamento de multas relacionadas aos crimes cometidos.

“Indulto não é nem pode ser instrumento de impunidade. É providência garantidora, num sistema constitucional e legal em que a execução da pena definida aos condenados seja a regra, possa-se, em situações específicas, excepcionais e não demolidoras do processo penal, permitir-se a extinção da pena pela superveniência de medida humanitária”, afirmou Cármen Lúcia ao acatar pedido da PGR.

“Indulto não é prêmio ao criminoso nem tolerância ao crime. Nem pode ser ato de benemerência ou complacência com o delito, mas perdão ao que, tendo-o praticado e por ele respondido em parte, pode voltar a reconciliar-se com a ordem jurídica posta”, acrescentou Cármen Lúcia em outro trecho da decisão.

A decisão da presidente do STF suspende os artigos 8º, 10 e 11, além de parte dos artigos 1º e 2º do decreto de Temer. Cármen Lúcia ressalta que se os dispositivos não forem suspensos imediatamente, o indulto transforma-se “em indolência com o crime e insensibilidade com a apreensão social que crê no direito de uma sociedade justa e na qual o erro é punido e o direito respeitado”.Jornal do Brasil

DECRETO DE INDULTO

Ministro diz que governo não vai recuar de indulto de Natal

Decreto abranda as regras para o perdão das penas de condenados por corrupção ou lavagem de dinheiro (Foto: ABr)

O ministro da Justiça, Torquato Jardim, declarou que o governo não vai recuar do polêmico decreto de indulto de Natal, que reduziu o tempo da pena de condenados por crimes cometidos sem violência ou grave ameaça.

A declaração foi dada ao blog da jornalista Andréia Sadi, do G1, nesta quinta-feira, 28, um dia após a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pedir a suspensão imediata do decreto ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Temer e Torquato discutiram o assunto na manhã desta quinta-feira, no Palácio do Jaburu. “Não tem recuo, o governo mantém sua posição. Não tem motivo. Agora é aguardar a decisão da ministra Cármen Lúcia”, afirmou o ministro ao blog.

O decreto, assinado pelo presidente Michel Temer na última sexta-feira, 22, reduziu o tempo necessário de cumprimento da pena de condenados por crimes cometidos sem violência ou grave ameaça. O documento também abranda as regras para o perdão das penas de condenados por corrupção ou lavagem de dinheiro.

Segundo Dodge, isso resultaria na impunidade de crimes investigados na Operação Lava Jato. A procuradora-geral ressaltou que o indulto foi considerado o “mais generoso” entre as normas editadas nos últimos 20 anos. “[Se mantido o decreto] A Constituição restará desprestigiada, a sociedade restará descrente em suas instituições e o infrator, o transgressor da norma penal, será o único beneficiado”, disse Dodge.G1

PREVIDÊNCIA REFORMA

OCDE recomenda previdência flexível, inverso da reforma brasileira

Apenas três dos 35 países da OCDE aprovaram leis visando empurrar para frente, como der e o quanto der, a idade para aposentadoria (Foto: Pixabay)

O último relatório Pensions at Glance (algo como “Aposentadorias em Perspectiva”, em tradução livre) da Organização Para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), foi publicado no último dia 5 de dezembro, e portanto bem no meio da fase mais aguda de discussões sobre a reforma brasileira da previdência social — se é que se pode chamar de “discussões” um cenário em que a mídia mainstream de um país faz aberta campanha pela aprovação da reforma proposta pelo governo da referida pátria amada, restringindo-se, as “discussões”, às tentativas de deixar mais “animados” os deputados apavorados com a curta distância entre um eventual voto “sim” para uma reforma altamente impopular, vista como contrarreforma pela ampla maioria da população, e o dia das eleições 2018.

Seria de se esperar, portanto, que uma perspectiva, uma projeção em especial do relatório da OCDE sobre os sistemas previdenciários de seus países membros, sobre um em particular, chamasse a atenção dessa mídia que se reveza com o ministro da Fazenda do Brasil na tarefa de projetar o fim do mundo como o conhecemos em caso de a reforma da Previdência não ser aprovada. A projeção em questão é essa: em 2050, se nada for feito pelos policy makers cá dos trópicos, o Brasil será o país, entre as maiores economias do mundo, que mais gastará pagando aposentadorias, algo da grandeza de 17% do PIB.

Contribuição ou imposto?

Seria de se esperar também, e porém, caso tivéssemos uma imprensa respeitosa dos postulados básicos do jornalismo e zelosa do seu papel num regime democrático, que a mídia brasileira se interessasse em reportar com igual “escândalo”, por assim dizer, que a reforma da Previdência do governo Michel Temer vai na contramão do que recomenda o mesmo relatório da mesma OCDE, a despeito do mantra repetido ad infinitum de que a reforma visa “eliminar privilégios”, instituindo, isso sim, um dos regimes previdenciários mais inflexíveis do planeta, não obstante em nome do bem da sociedade como um todo. Pois diz a OCDE:

“Definir idades rígidas para a aposentadoria pode não ser algo benéfico para a sociedade como um todo. A aposentadoria flexível é, portanto, um tema importante para quem toma esse tipo de decisão. Formas mais flexíveis de aposentadoria, em que o timing e a velocidade da saída do mercado de trabalho podem ser ajustados, podem beneficiar aqueles que desejam trabalhar em meio período quando estiverem mais velhos, recebendo gradualmente seus direitos previdenciários e melhorando sua renda tanto com o trabalho quanto com a pensão. De maneira mais abrangente, uma maior flexibilidade tem a vantagem de criar diferentes opções para diferentes preferências individuais. Um sistema previdenciário pode ser considerado flexível se houver obstáculos apenas limitados para que uma pessoa possa combinar trabalho com o recebimento de pensão e se as pessoas puderem escolher a idade com que irão se aposentar”.

No dia 20 de fevereiro desse ano a Folha de S.Paulo publicava matéria intitulada: “Com reforma, Previdência do Brasil fica mais rígida que a de países ricos”, mostrando (e assim rompendo ligeiramente com o ronrom), a enorme distância entre o tempo mínimo de contribuição para receber um percentual da aposentadoria no Brasil pós-reforma, 25 anos, e na maioria das maiores economias do mundo, onde chega a ser de cinco anos (na Alemanha). Naquela feita, cerca de dez meses antes da divulgação do relatório da OCDE, o responsável pela área de aposentadorias da organização, Hervé Boulhol, já dizia à Folha, sobre a reforma da previdência do governo Michel Temer: “Exigir um mínimo de 25 anos de contribuição é muito rígido. Se você contribuir por 20 anos e não ganhar nada, isso quer dizer que todas as suas contribuições foram puramente impostos”.

Descompasso de reformas

O relatório Pensions at Glance 2017 informa que, nos últimos dois anos, nada menos que um terço dos 35 países da OCDE mexeram em suas regras previdenciárias, mas apenas três aprovaram leis visando empurrar para frente, como der e o quanto der, a idade para aposentadoria. Essas e outras medidas mais comuns, diz a OCDE, podem ser pouco eficazes contra o que no Brasil convencionou-se chamar de “rombo da previdência”, porque “o aumento esperado da idade para se aposentar será superado pelo avanço da longevidade, o que significa que o tempo que as pessoas passam aposentadas aumentará em relação à duração da sua vida profissional”.

A conclusão é que os sistemas previdenciários dos países, ou melhor, as reformas correntes e vindouras que neles pretende-se fazer, deveriam ter como foco, em vez do aumento arbitrário da idade para se aposentar, em vez da fixação de tempos mínimos de contribuição da escala de um quarto de século, a ampliação das possibilidades e dos atrativos para a combinação entre manter-se ativo no mercado de trabalho, porém com jornada reduzida, e recebimento progressivo da aposentadoria. O adiamento da saída total do mercado de trabalho, diz a OCDE, deve ser suficientemente gratificante para compensar os anos de aposentadoria que uma pessoa teria direito a receber, mas que, mas sob um sistema flexível, pode optar por recebê-la mais tarde.

Segundo a OCDE, pesquisas mostram que um regime previdenciário flexível é um desejo geral das classes trabalhadoras, para que possam diminuir o ritmo de trabalho ao passo que a idade começa a pesar. Mas, “infelizmente”, a palavra de ordem da “flexibilização” parece cuidadosamente reservada para uma outra reforma da mesma família, a trabalhista – a reforma trabalhista que no Brasil “flexibilizou” as regras para o trabalho em meio período, esse tipo de trabalho que a “mãe de todas as reformas” não levará em consideração.Hugo Souza

COMPORTAMENTO




VIVENDO NO BRASIL 2

POR TEMPO INDETERMINADO

São Paulo tem 23 parques fechados por prevenção contra febre amarela

Parques são fechados por tempo indeterminado (Fonte: Reprodução/Jornal da Band)

A partir desta quinta-feira, 28, mais dez parques urbanos municipais de São Paulo, localizados nas zonas sul e oeste, estarão fechados por tempo indeterminado como medida de prevenção contra a febre amarela. Ao todo, já são 23 parques fechados na capital.

A prefeitura local informou que a vacinação contra a febre amarela será ampliada para alguns distritos das duas regiões. Até então, apenas moradores da zona norte eram orientados a buscar a imunização.

O fechamento de outros dez parques urbanos municipais foi determinado após a confirmação da morte recente de dez primatas por febre amarela em Itapecerica da Serra, na região metropolitana de São Paulo.

Confira abaixo a lista de parques municipais de São Paulo fechados por risco de febre amarela:

– Parque Santo Dias
– Parque Jd. Herculano
– Parque Guarapiranga
– Parque Alves de Lima
– Parque Cemucam
– Parque Raposo Tavares
– Parque Juliana de Carvalho Torres
– Parque Linear Feitiço da Vila
– Parque Linear Parelheiros
– Parque Linear Sapé
– Parque Anhanguera
– Parque Cidade de Toronto
– Parque Jacintho Alberto
– Parque Jardim Felicidade
– Parque Linear Canivete
– Parque Linear Córrego do Bispo
– Parque Lions Clube Tucuruvi
– Parque Pinheirinho D’Água
– Parque Rodrigo de Gásperi
– Parque São Domingos
– Parque Sena
– Parque Senhor do Vale
– Parque Tenente Brigadeiro Faria Lima

Fonte:Estado de Minas

CENSURA VENEZUELA

Venezuela fechou quase 70 veículos de mídia em 2017

Em 2017, ocorreram no país 498 atos contra a liberdade de expressão e 66 detenções de jornalistas (Foto: Twitter)

Em 2017, 69 veículos de imprensa foram fechados na Venezuela. Os dados são de um relatório do Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa (SNTP), principal sindicato do setor venezuelano. No total, 46 rádios, três emissoras de televisão e 20 jornais foram obrigados a encerrar as atividades. Ainda segundo o documento, foram registrados 498 atos contra a liberdade de expressão e 66 detenções de jornalistas em 2017.

De acordo com o SNTP, o governo tinha a “intenção de silenciar, a qualquer preço, o descontentamento pela cada vez mais crítica situação econômica e social” no país. Em relação a 2016, os ataques a jornalistas aumentaram 26,5% – o número anterior era de 360. A maior parte das 273 agressões ocorreu durante manifestações contra o presidente Nicolás Maduro, que deixaram 125 mortos entre abril e julho desta ano.

“Utilizando o braço e as armas da Guarda Nacional (militarizada) e as polícias regionais e municipais, a burocracia oficial tentou tornar o conflito invisível”, destacou o documento.

A Relatoria para a Liberdade de Expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos fez um “chamado urgente” para que ocorresse o reestabelecimento das transmissões das emissoras de televisão e rádio retiradas do ar. O encerramento das atividades dos veículos audiovisuais teria ocorrido devido ao vencimento de suas concessões para o uso do espaço radioelétrico, o que muitos afirmam ser concedida arbitrariamente.

Já no caso dos 20 veículos impressos, os jornais da oposição sofreram com a falta de papel para a impressão. O papel tem a importação e a distribuição monopolizadas por uma corporação do governo. Já os jornais que continuam trabalhando, segundo o SNTP, tiveram que limitar seu número de páginas e tiragens em circulação. Em sua defesa, Maduro se declara vítima de uma campanha de desprestígio na mídia local e estrangeira.

Em novembro, a Organização Não Governamental (ONG) Espaço Público revelou que foram mais de 150 veículos de comunicação fechados desde 1999, quando o ex-presidente Hugo Chávez assumiu o posto de chefe de Estado. Ademais, alguns membros da imprensa internacional também se viram prejudicados pela repressão governamental, com cadeias como CNN e RCN sendo retiradas da grade de programação das TVs a cabo do país por ordem do governo.

A Assembleia Nacional Constituinte aprovou, em novembro deste ano, uma lei para punir crimes de ódio, prevendo até 20 anos de prisão pelo delito, além da exclusão de veículos de imprensa que o incitem. Além disso, a lei obriga que os meios de comunicação promovam “a paz, tolerância e a igualdade”, com o Estado podendo ordenar a distribuição desse conteúdo “por um tempo de 30 minutos semanais”.O GLOBO

ARGENTINA INFLAÇÃO

Governo argentino aumenta meta de inflação em 2018 para 15%

EFE/Carlota Ciudad

O governo da Argentina modificou nesta quinta-feira as metas de inflação para os próximos anos e aumentou para 15% a de 2018, acima dos 10% previstos inicialmente.

Para 2019, o objetivo do governo é manter a taxa abaixo de 10% - em vez de 5%, como antes - e, para 2020, em 5%.

A mudança nas previsões foi revelada em entrevista coletiva na Casa Rosada e da qual participaram o chefe de Gabinete do presidente Mauricio Macri, Marcos Peña, o presidente do Banco Central, Federico Sturzenegger, o ministro de Fazenda, Nicolás Dujovne, e o de Finanças, Luis Caputo.

Segundo Dujovne, as metas anteriores foram calculadas em janeiro de 2016, em um contexto "de incerteza e volatilidade", e agora o governo tem uma visão "muito mais clara" de onde estão os preços e de sua política monetária.

Além disso, o ministro reiterou que o objetivo central da política macroeconômica da gestão Mauricio Macri continua sendo "equilibrar as contas públicas" e "derrotar a inflação", e alegou que a modificação das previsões é algo que deve ocorrer "muito de vez em quando".EFE

VIVENDO NO BRASIL 3

FIM DO ANO CHEGANDO...

PERU FUJIMORI

CorteIDH convoca audiência extraordinária por indulto a Fujimori

Arquivo de 2006 do ex-presidente Fujimori e suas filhas Keiko (dir) e Sachi (esq). EFE/Marco Mesina

A Corte Interamericana de Direitos Humanos (CorteIDH) convocou uma audiência extraordinária para escutar, no dia 2 de fevereiro, as partes envolvidas no indulto concedido ao ex-presidente peruano Alberto Fujimori, que cumpria pena de 25 anos de prisão por crimes contra a humanidade.

"A corte já notificou as partes para uma audiência conjunta, em dois casos abertos em supervisão de cumprimento de pena, que são Barrios Altos e La Cantuta", informou a advogada Gloria Cano, diretora de uma das organizações civis que representam os parentes das vítimas dos massacres pelos quais Fujimori foi julgado.

Cano acrescentou que serão revisados "dois pedidos em uma só audiência" e que já foram convocados o Estado peruano, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e organismos representantes dos parentes, como a Associação Pró-Direitos Humanos (Aprodeh), que ela dirige.

De acordo com a advogada, depois da audiência do dia 2 de fevereiro a corte "emitirá uma resolução de cumprimento obrigatório", em prazo não determinado, e apontará se o Estado peruano cumpriu ou não as obrigações estabelecidas nestes casos, pelos quais Fujimori foi condenado, em 2009, a 25 anos de cárcere.

Fujimori foi responsabilizado pelo assassinato de um total de 25 pessoas nos massacres de Barrios Altos (1991) e La Cantuta (1992), cometidos pelo grupo militar Colina, e pelo sequestro do jornalista Gustavo Gorriti e do empresário Samuel Dyer, em 1992.

O presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, concedeu no dia 24 de dezembro o indulto humanitário a Fujimori, que atualmente permanece em uma clínica de Lima, ao considerar que o ex-governante sofre uma série de doenças e sua saúde poderia se agravar na prisão.

Kuczynski também concedeu o direito de graça presidencial a Fujimori, pela qual o ex-governante não poderá ser processado em um julgamento aberto pelo assassinato de seis pessoas no distrito de Pativilca, no norte da região de Lima, também pelas mãos do grupo Colina.EFE

LIBÉRIA ELEIÇÕES

Ex-jogador George Weah é eleito presidente da Libéria em apuração oficial

EFE/ Ahmed Jallanzo

O ex-jogador George Weah, único africano ganhador da Bola de Ouro, foi eleito presidente da Libéria nesta quinta-feira, após a apuração oficial de 98% dos votos do segundo turno das eleições.

De acordo com os resultados provisórios anunciados pela Comissão Eleitoral Nacional (NEC) do país, Weah, do partido Congresso pela Mudança Democrática (CCD), obteve 61,5% do votos contra 38,7% do atual vice-presidente do país, Joseph Boakai, do Partido da Unidade (PU).

A apuração completa será divulgada na sexta-feira, momento em que Weah será declarado sucessor oficial da atual chefe de Estado, Ellen Johnson-Sirleaf.

O ex-jogador já havia vencido o primeiro turno das eleições realizado em 10 de outubro, quando obteve 38,4% dos votos e deixou Boakai na segunda posição com 28,8% da preferência dos eleitores.

O segundo turno, disputado na última terça-feira, deveria ter ocorrido no dia 7 de novembro, mas foi adiado porque o terceiro candidato mais votado, Charles Brumskine (Partido pela Liberdade, PL), apresentou um recurso com acusações de fraude, que foram finalmente desconsideradas pelo Tribunal Supremo.

Mais de dois milhões de eleitores foram convocados às urnas para concluir a primeira transferência de poder entre dois presidentes escolhidos democraticamente em 73 anos.

Com o anúncio do próximo presidente do país, esta encerrado o mandato presidencial de Sirleaf, a única mulher que chegou a uma chefia de Estado na África, após vencer o pleito de 2005 e ser reeleita seis anos depois.EFE

MÉXICO FOBIAS

Sistema desenvolvido no México ajuda a superar fobias

EFE/IPN

Com o objetivo de ajudar às pessoas a superar determinadas fobias, uma aluna do Instituto Politécnico Nacional do México (IPN) criou o que chama de “Sasufo”, um sistema terapêutico imersivo, que cria cenários de realidade virtual nos quais o paciente enfrenta seus temores de maneira controlada.

Através do visor “Oculur Rift”, a plataforma desenvolvida na Escola Superior de Computação do IPN trabalha com diversos medos, como a nictofobia (pavor do escuro) e a acrofobia (medo de altura).

“O visor é complementado com uma faixa sensorial, chamada muse, que examina a radiação cerebral, de modo a medir sensações como o estresse, a ansiedade ou o medo”, comentou a criadora do aparelho, Adriana Estrada.

O projeto contou com o acompanhamento de médicos e psiquiatras da Universidade Nacional Autônoma do México (Unam), os quais asseguraram que os testes, aplicados em pacientes sob tratamento, tiveram resultados positivos.

Em relação à criação de cenários, eles foram desenvolvidos com base na opinião de especialistas, de maneira que a exposição às fobias sejam progressivas.

Estrada explicou que o visor “Oculus Rift” permite que o paciente simule estar dentro de um cômodo escuro ou no alto de um arranha-céus, e assim fornece uma experiência imersiva, na qual o usuário possui liberdade para voltar e caminhar no mundo virtual.

A outra parte do “Sasufo” é complementada com uma espécie de tiara sensorial, que é colocada na testa do paciente e detecta o comportamento das ondas cerebrais durante a interação com o cenário.

Simultaneamente, o psiquiatra maneja um programa de computador, do qual supervisiona, mediante gráficos de frequência, a atividade cerebral do paciente. Caso ela fuja de um intervalo estabelecido, o especialista deve desligar o aparelho ou retornar para um nível menor de exposição.

“O protótipo é uma plataforma na qual se criam perfis dos terapeutas e registros de cada paciente. Além disso, possui a capacidade de acrescentar outros tipos de fobia. Como a base já está pronta, só devem ser feitas algumas alterações pertinentes”, finalizou a criadora.EFE

RETROSPECTIVA 2017 ARQUEOLOGIA

Sedução das pirâmides de Gizé segue intacta após 4.500 anos

EFE/Mohamed Hossam

O frenesi desencadeado pelo anúncio da suposta descoberta de uma câmara no interior da Grande Pirâmide, desmentida pelas autoridades egípcias, voltou a constatar o extraordinário interesse pelos segredos do Egito antigo e o incessante trabalho para desvendá-los.

A revista "Nature" publicou no dia 2 de novembro um estudo do projeto ScanPyramids - que desde 2015 analisa as pirâmides com uma técnica inovadora - que revelava a existência de um "grande oco" - de mais de 8 metros de altura, entre 1 e 2 metros de largura e 30 metros de comprimento - na Pirâmide de Quéops, conhecida como Grande Pirâmide.

A equipe de cientistas - integrada por franceses, egípcios e japoneses - apontou que essa era a primeira descoberta no interior desta pirâmide desde o Século XIX e representava um "grande avanço" para entender sua estrutura.

Os especialistas descobriram o oco mediante uma radiografia com raios cósmicos conhecidos como "múon" (que são ativados quando partículas subatômicas procedentes do espaço exterior entram em contato com a atmosfera terrestre), uma técnica não invasiva que está sendo usada em diferentes campos, sobretudo na arqueologia.

Os "múon" apresentam diferentes trajetórias quando penetram nas rochas ou atravessam o ar, o que permite diferenciar as estruturas sólidas das cavidades, como a detectada na Grande Pirâmide, situada acima da sua principal galeria.

A equipe do ScanPyramids admitiu que, por enquanto, desconhece a função da câmara ou oco, mas destacou no artigo da "Nature" que esta era a primeira vez que se descobria uma estrutura no interior de uma pirâmide desde seu exterior, graças à física de partículas.

No entanto, o Ministério de Antiguidades Egípcias - que colabora com o ScanPyramids e o autoriza a analisar o monumento mais importante do país - acusou a equipe de ter se precipitado e de ter usado "termos propagandísticos" em seu anúncio, que pegou de surpresa as autoridades do Egito.

O órgão apontou em um comunicado que já era conhecida a existência de "inúmeros ocos" dentro das três pirâmides de Gizé, por isso era errado falar de descoberta.

O secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades Egípcias, Mustafa Waziri, explicou à Agência Efe que "existem muitos ocos, porque não podemos qualificá-los de câmaras, mas não sabemos" quantos nem onde estão localizados, nem para que serviam.

Além disso, outras duas equipes, uma americana e uma japonesa, vão realizar uma nova análise para confirmar os resultados obtidos pelo ScanPyramids, segundo Waziri.

No entanto, o arqueólogo considerou que o escaneamento das pirâmides "não vai oferecer a verdadeira história" que se encontra por trás destas enigmáticas construções.

A Grande Pirâmide - construída em homenagem a Khufu, segundo faraó da IV Dinastia que reinou de 2550 a.C. a 2527 a. C., e a quem Heródoto chamou de Keops -, junto às vizinhas pirâmides de Quéfren e Miquerinos, são os monumentos funerários mais emblemáticos do Egito antigo, erguidas para que fossem sepultados e lembrados os reis que as batizaram.

Seu método de construção continua sendo um mistério até hoje, assim como muitas outras incógnitas sobre os antigos egípcios e que "algum dia conheceremos", segundo Waziri.

"As pirâmides são conhecidas por todo o mundo porque são a construção mais complexa, mais famosa e mais importante da história", destaca o secretário.

Além da paixão dos amantes da egiptologia, os especialistas que fazem alguma descoberta importante "sabem que seu nome ficará na história para sempre", acrescenta Waziri, explicando desta forma o grande interesse dos arqueólogos de todo o mundo pelo Egito.

Prova disso é a polêmica que o britânico Nicholas Reeves protagonizou em 2015, após formular uma hipótese segundo a qual atrás da parede norte do túmulo do famoso faraó Tutancâmon, em Luxor, haveria uma câmara na qual estaria sepultada a rainha Nefertiti, o que também gerou uma expetativa muito grande até que as autoridades egípcias desmentiram após vários exames.EFE

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

MENSAGEM DO DIA

NO PARÁ DO AÇAÍ- DEZ 23

VIVENDO NO BRASIL 1


MAIA CAIXA "3"

PF diz que há indícios de que Maia recebia "caixa 3"

Renato S. Cerqueira/Futura Press

Em relatório de um dos inquéritos que investigam o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a Polícia Federal apontou indícios de que suas campanhas receberam dinheiro de empresas a mando da Odebrecht, prática chamada pelos investigadores de "caixa três".

Desde que vieram a público as delações de donos e executivos da empreiteira, em abril, apontava-se a Cervejaria Petrópolis, que fabrica a Itaipava, como a principal parceira da Odebrecht no caixa três.

Segundo a Odebrecht, a cervejaria doou nas eleições de 2008, 2010, 2012 e 2014 cerca de R$ 120 milhões a diversos políticos a pedido da empreiteira --e usou ainda outras duas empresas com as quais mantinha negócios. Agora, as investigações têm buscado os beneficiários, que não foram devidamente identificados nas delações.

No seu relatório, a PF destacou ter localizado na prestação de contas da campanha de Maia de 2014 uma doação de R$ 200 mil da empresa Praiamar Indústria Comércio e Distribuição, ligada à Cervejaria Petrópolis. A Praiamar doou ao diretório nacional do DEM, que repassou a Maia.

Também em relação a 2014, a PF anotou haver doações da Cervejaria Petrópolis ao diretório nacional do DEM, no valor de R$ 6,1 milhões.

Já em 2010, segundo a polícia, a campanha de Maia à Câmara recebeu R$ 389 mil do diretório estadual do DEM fluminense. O diretório, por sua vez, havia recebido R$ 20 mil da Praiamar e R$ 80 mil da Leyroz Caxias Indústria Comércio e Logística, outra empresa ligada à Cervejaria Petrópolis.

Até aquele ano, o sistema da Justiça Eleitoral não permitia verificar a fonte original de recursos que chegassem às campanhas por meio de diretórios partidários. A PF observou que é "certo de que existe a possibilidade de [os valores repassados a Maia pelo diretório] terem sido originados das referidas empresas parceiras da Odebrecht [Praiamar e Leyroz]".

Investigado no mesmo inquérito, o pai do presidente da Câmara, o vereador do Rio Cesar Maia (DEM), também recebeu doação de R$ 50 mil da Cervejaria Petrópolis. O repasse foi via diretório nacional do DEM em 2014, quando ele disputou uma vaga no Senado e perdeu.

O relatório da PF é de 28 de junho e se tornou acessível no inquérito no final de novembro.

TRIANGULAÇÃO

Em depoimento à PF em julho, o dono da Cervejaria Petrópolis, Walter Faria, disse que estreitou relações com a Odebrecht após a empreiteira construir suas fábricas. Em 2010, segundo Faria, o então executivo da Odebrecht Benedicto Júnior, o BJ, lhe perguntou se ele poderia fazer doações eleitorais.

Segundo Faria, "BJ lhe explicou que [a empreiteira] não desejava figurar como a maior doadora para políticos". O empresário disse que, apesar de ter topado, também não queria aparecer como grande doador. Foi então que o dono da Praiamar e da Leyroz, Roberto Fontes Lopes, "grande distribuidor do Grupo Petrópolis", lhe disse que gostaria de doar a políticos.

O dono da cervejaria afirmou que não dava a Lopes o dinheiro para as doações, mas "fornecia 'uma gordura' na negociação dos preços das bebidas que eram distribuídas" pela Praiamar e pela Leyroz.

Em regra, afirmou, o dinheiro saía da Petrópolis a pedido da Odebrecht e depois era "debitado de uma conta corrente" mantida entre a cervejaria e a empreiteira. Nos acertos, segundo Faria, a cervejaria chegava a ganhar descontos da Odebrecht na construção de fábricas.

Faria entregou à PF uma tabela que, segundo ele, distingue as doações que foram feitas pela cervejaria espontaneamente das que foram a pedido da Odebrecht. Entre essas últimas estavam os R$ 6,1 milhões ao DEM em 2014.

A PF também ouviu Lopes, dono da Praiamar e da Leyroz. Ele afirmou que quis fazer doações de boa-fé, para ganhar reconhecimento, e não detalhou as contribuições a Maia.

De julho a novembro a PF tentou ouvir Maia nesse inquérito. Houve um adiamento, a pedido da defesa, mas mesmo assim Maia não compareceu na data marcada. O depoimento foi remarcado para 3 de outubro. Nesse dia, porém, chegou à PF uma petição da defesa argumentando que pedira ao relator do caso no STF, Edson Fachin, para redistribuir o inquérito sob a alegação de que não havia conexão entre essa apuração e a Lava Jato.

A presidente da corte, ministra Cármen Lúcia, decidiu manter o caso com Fachin. A defesa de Maia recorreu, mas a decisão foi mantida.O advogado de Maia, Danilo Bonfim, disse à Folha que o deputado já foi ouvido pela PF. Ele não quis comentar o teor do depoimento. Folhapress

DATAFOLHA PESQUISA

Sete em cada dez brasileiros se opõem à privatização de estatais

Ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho, fala sobre a provável privatização da Eletrobras (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

Um levantamento feito pelo instituto Datafolha revelou que sete em cada dez brasileiros se opõem à privatização de estatais.Além disso, a maioria da população (67%) também acredita que a venda de companhias brasileiras para grupos de fora traz mais prejuízos do que benefícios.

A privatização de estatais é aceita pela maioria (55%) apenas entre os brasileiros com renda mensal superior a dez salários mínimos. À medida que diminui a renda familiar mensal também diminui a aceitação.

A rejeição à privatização é maior principalmente entre os moradores das regiões Norte e Nordeste, com taxas de 78% e 76%, respectivamente.

Analistas acreditam que a resistência da população é o principal obstáculo para as desestatizações que o governo pretende concluir até o final do próximo ano, incluindo a da Eletrobas.

O levantamento revelou também que uma possível privatização da Petrobras — tema já levantado no meio político — é rechaçada por 70% da população. Já uma possível participação de capital estrangeiro na estatal é rechaçada por 78%.

A pesquisa Datafolha contou com a participação de 2.765 pessoas. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Folha de S.Paulo

BRASIL ÍNDIOS

Cooperativa indígena desafia máfia de alimentos na Amazônia

EFE/Beethoven Delano

Uma cooperativa agrícola de uma pequena aldeia indígena na Amazônia desafia as máfias que controlaram há décadas a exploração e comercialização de alimentos na região.

Com a criação, em outubro, da Cooperativa de Produção e Desenvolvimento Indígena Paiter (Coopaiter), que permite a comercialização de alimentos sem a intervenção de terceiros, e a expulsão de madeireiros, em novembro, a aldeia Nabecob Abalakiba começou a ser ameaçada.

Depois do confronto entre indígenas e madeireiros expulsos, homens armados supostamente a mando dos invasores atacaram Naraimi Suruí, filho do cacique Anine, e sua esposa, Elisângela Dell-Armelina Suruí, eleita educadora do ano no Brasil, que lideram a cooperativa e saíram ilesos do ataque.

Cacoal, a 485 quilômetros de Porto Velho, é o único município de Rondônia onde os indígenas participam do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do Governo Federal.

Na aldeia Nabecob Abalakiba, a 45 quilômetros do centro de Cacoal, 20 famílias da etnia Paiter-Suruí comercializam através do PPA produtos cultivados por eles mesmos, como bananas, café, mandioca e castanha.

O estímulo à agricultura familiar, sob parâmetros de desenvolvimento sustentável, gera mensalmente para essas famílias indígenas aproximadamente R$ 6 mil.

"O que sentimos no trabalho do PAA é a valorização da nossa produção e buscamos melhorar a qualidade. Nós temos várias aldeias dentro do PAA: a aldeia Lobó, a Lapetanha e a Nabecob Abalakiba. É um início do nosso mercado", disse à Agência Efe Naraimi Suruí, um dos coordenadores do programa.

Entre os produtos vendidos pelos Suruí ao governo, que são destinados a alimentar comunidades carentes em todo o país, há cinco variedades de banana.

A aldeia também produz outros alimentos para consumo próprio, como amendoim, amêndoas, batatas, laranjas e tangerinas.Com a organização adquirida através da cooperativa, as aldeias pretendem, além de melhorar a qualidade dos seus alimentos, conseguir melhores preços e evitar os "atravessadores", como são conhecidos os intermediários que antes ficavam com a maior parte dos lucros da produção agrícola indígena.

"Acredito muito que podemos nos fortalecer, e na união do trabalho, porque nós somos um povo que precisa de fortalecimento no trabalho e com o desenvolvimento sustentável", comentou Lana Suruí, uma das encarregadas da colheita de castanhas.

"A cooperativa vem reforçar tudo aquilo que nós estamos precisando" e, com o passar do tempo, "vai trazer um futuro melhor para os nossos filhos", apontou Lana.

O surgimento da cooperativa se deu meses depois de uma série de ações das autoridades para desmantelar uma rede de pecuaristas e fazendeiros acusados de provocar grande parte do desmatamento na floresta amazônica.

Em 2016, a Polícia Federal deteve os supostos líderes de uma máfia acusada de falsificar títulos de terras e desmatar 300 quilômetros quadrados de floresta no Pará com o propósito de extrair madeira de forma ilegal e depois converter essas áreas em pastos para gado e cultivos de soja e arroz.

A operação, que descobriu sete empresas de fachada para encobrir os crimes ambientais e a formação de um cartel, foi organizada após denúncia apresentada no Ibama por indígenas da região que acusaram os pecuaristas de invadir suas terras.EFE

VIVENDO NO BRASIL 2

RÚSSIA EXPLOSÃO

Explosão deixa 10 feridos em supermercado de São Petersburgo

EFE/Srdjan Suki

A explosão de uma bomba no interior de um supermercado em São Petersburgo deixou pelo menos dez pessoas feridas nesta quarta-feira, segundo informaram as autoridades da cidade.

"Dez pessoas ficaram feridas, mas uma se negou a ser internada", afirmou a fonte.

A explosão aconteceu em um supermercado da rede Perekrestok, que precisou ser fechado após o incidente. Dezenas de pessoas, entre elas funcionários e clientes, foram evacuados, de acordo com a imprensa local.

Segundo o Comitê de Instrução da Rússia (CIR), o artefato explosivo caseiro, tinha uma potência equivalente a 200 gramas de trilite.

Após a confirmação que a explosão ocorreu devido a uma bomba, o CIR passou a estudar todas as possíveis causas do incidente, inclusive a possibilidade de ter sido um atentado terrorista.

A explosão não causou danos no estabelecimento nem provocou um incêndio, de acordo com os serviços de emergência.EFE

CHINA TECNOLOGIA

China inicia projeto para que celular sirva de documento de identidade

EFE/Carlos Durán

O Governo da cidade de Cantão, no sul da China, iniciou esta semana um projeto para que o popular aplicativo para celular Wechat sirva para identificar seus usuários da mesma forma como um passaporte ou um cartão de identidade, uma iniciativa que se quer estender para todo o país.

Segundo informou nesta quarta-feira o jornal "South China Morning Post", o projeto experimental será estendido em poucos dias para toda a província de mesmo nome, uma das mais prósperas do país, e já se quer testá-lo em nível nacional a partir do mês de janeiro.

Utilizando tecnologia de reconhecimento facial, um setor em grande alta na China, estes documentos virtuais poderão ser usados para se registrar em hotéis ou ter acesso a determinados serviços de instituições oficiais sem necessidade de um documento de identificação convencional.

O Ministério de Segurança Pública e o gigante eletrônico Tencent, proprietário do Wechat, desenvolveram conjuntamente esta iniciativa.

Se for consolidado, o uso de Wechat como documento de identidade daria ainda maior relevância social a um aplicativo que tem perto de um bilhão de usuários, principalmente concentrados na China.

Nascido em 2011 como um serviço de mensagens instantâneas similar ao Whatsapp, o aplicativo se tornou também na rede social mais popular do país, ao incluir pouco depois um serviço de microblogs similares ao Twitter. Tanto Whatsapp como Twitter estão bloqueados pelo regime comunista.EFE

SUÍÇA FRANÇA

Tribunal suíço aprova envio de documentos sobre campanha de Sarkozy à França

EFE/ Christophe Petit Tesson

O Tribunal Penal Federal da Suíça rejeitou nesta quarta-feira um recurso contra o envio à Justiça da França de documentos relativos à investigação sobre o financiamento da campanha presidencial de Nicolás Sarkozy em 2007, embora o caso continue aberto, já que a parte interessada decidiu recorrer desta decisão na máxima instância, o Tribunal Federal.

No âmbito de uma investigação das autoridades da França em relação a supostos atos de corrupção ativa e passiva, tráfico de influência e abuso de bens sociais, estas apresentaram aos seus colegas suíços uma petição rogatória.

O processo de cooperação judicial tinha relação com uma pessoa domiciliada em Genebra, cujas propriedades nesta cidade foram revistadas e nelas foram expropriados documentos considerados importantes para a investigação.

Embora o interessado não tenha respondido às duas convocações das autoridades para que pudesse se pronunciar sobre a transmissão desses documentos às autoridades francesas, este recorreu desta decisão afirmando que houve erros de procedimento e abusos durante o aplainamento.

No entanto, o Tribunal Penal Federal concluiu que os erros foram corrigidos, que o interessado tinha recebido as garantias necessárias e que procedia a transmissão da documentação requerida pela França.

No entanto, o processo não foi encerrado, já que o interessado apelou ao Tribunal Federal Suíço, a última e mais alta instância da Justiça do país.EFE

ZIMBÁBUE GOVERNO

Responsáveis do golpe contra Mugabe são nomeados vice-presidentes do Zimbábue

O general Constantine Chiwenga foi um dos principais articuladores da deposição do ex-presidente do país africano. EFE/Aaron Ufumeli

O principal responsável pelo golpe contra o presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, o general Constantino Chiwenga, e o ministro da Defesa, Kembo Mohadi, foram nomeados vice-presidentes do Governo do Zimbábue, informou um comunicado oficial.

O novo presidente do Zimbábue, Emmerson Mnangagwa, confirmou Chiwenga e Mohadi, ambos vice-presidentes do partido do governo, a União Nacional Africana de Zimbabué-Frente Patriótica (ZANU-PF), como vice-presidentes do país, que assumirão o cargo amanhã na Casa do Governo.

Mnangagwa deu cargos a vários ex-oficiais de alta patente do Exército em seu gabinete e no ZANU-PF, embora ainda conte com um grande apoio popular por ter acabado com 37 anos de Mugabe no poder.

Chiwenga, que dirigiu a operação militar que afastou Mugabe da presidência e teve papel fundamental na negociação de sua saída, deixou o comando do Exército poucos dias depois da queda definitiva do líder e foi substituído à frente das Forças Armadas pelo general Valerio Sibanda, no último dia 18 de dezembro.

O novo presidente zimbabuano chegou ao poder há um mês, depois que o Exército se revoltou contra o Governo em represália pela destituição do próprio Mnangagwa como vice-presidente (em 6 de novembro), forçada pelas ambições da ex-primeira-dama de suceder seu marido no poder.

Mnangagwa jurou o cargo como presidente em 24 de novembro no lugar de Mugabe, que tinha renunciado três dias antes diante da pressão do Exército, dos influentes veteranos de guerra, dos cidadãos e da própria ZANU-PF, que tinha iniciado no Parlamento um processo de cassação contra ele após retirá-lo da liderança do partido.EFE

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

MENSAGEM DO DIA


NO PARA DO AÇAÍ - DEZ 22

VIVENDO NO BRASIL 1

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Governo usa financiamento da Caixa para aprovar reforma da Previdência

Carlos Marun: 'O nível de apoio que o governador puder prestar à reforma vai ser considerado'

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse, nesta terça-feira (26/12), que o governo federal está negociando a liberação de empréstimos da Caixa Econômica Federal aos estados em troca de apoio à reforma da Previdência.

O objetivo do Palácio do Planalto é que os governadores influenciem deputados de seus estados a votarem favoravelmente à proposta que atualiza as regras de aposentadoria. Para Marun, a estratégia não deve ser encarada como chantagem e a definiu como uma "ação de governo".

Leia as últimas notícias de Economia

"Financiamentos da Caixa são ações de governo. Se não, um governador poderia tomar esse recurso em bancos privados. Se não na Caixa, no Banco do Brasil ou no BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). E, nesse sentido, entendemos que deve, sim, ser discutido com os governantes uma reciprocidade, no sentido de que seja aprovada a reforma da Previdência, por uma questão que entendemos ser importante para o Brasil", afirmou.

Chantagem, não

Os acordos estão sendo negociados com os mais diversos governadores, especialmente os que têm financiamentos a serem liberados, admitiu Marun. "Até porque aqueles parlamentares ligados a esses governadores, obviamente, em função das ações que serão resultado desses financiamentos, terão aspectos eleitorais positivos. Queremos que os governadores nos auxiliem na aprovação da reforma", declarou.

O auxiliar de Temer avalia, no entanto, que a estratégia não deve ser encarada como uma forma de chantagem. "Sendo uma ação de governo, obviamente que o nível de apoio que o governador puder prestar à reforma vai ser considerado nessa questão”, ponderou.CB

COMPORTAMENTO





SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA

A triste realidade da seca na região Nordeste

Pesadelo da seca continua atingindo milhões de brasileiros do Nordeste (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

Quase metade dos municípios do Nordeste enfrentam uma situação de emergência por causa da seca, um pesadelo que continua atingindo milhões de brasileiros.

Atualmente, nove em cada dez municípios do Rio Grande do Norte correm risco de ficar sem água. O maior reservatório do estado está com apenas 12% de sua capacidade.

O prejuízo no setor agropecuário do Rio Grande do Norte já ultrapassa os R$ 4 bilhões, mas a situação é difícil em toda a região.

Mais de 5 milhões de pessoas estão sendo prejudicadas pela seca no estado mais populoso do Nordeste, a Bahia. Já no estado da Paraíba, a estiagem afeta 88% do território.

Em entrevista ao Jornal Nacional, da Rede Globo, um agricultor diz que a situação está ficando ainda mais difícil a cada ano.Outro estado muito afetado é Pernambuco, onde 64% dos municípios estão em situação de emergência. Um total de 300 mil pessoas no estado recebem água apenas por meio de caminhão-pipa.Jornal Nacional

BRASIL X VENEZUELA

Brasil declara representante diplomático da Venezuela "persona non grata"

Fátima Meira/Futura Press

O governo brasileiro declarou o encarregado de negócios da Venezuela, Gerardo Antonio Delgado Maldonado, "persona non grata" nesta terça-feira (26). O diplomata será obrigado a deixar o país.

O Ministério das Relações Exteriores informou que está seguindo o princípio de reciprocidade. No sábado (23), a Assembleia Constituinte da Venezuela havia declarado o embaixador do Brasil em Caracas, Ruy Pereira, persona non grata no país. A medida, na prática, equivale a uma expulsão.

Pereira está no Brasil. Ele chegou na semana passada para passar os feriados de final de ano. O embaixador brasileiro não poderá retornar à Venezuela enquanto se mantiver a declaração.

Quando uma pessoa é declarada persona non grata, ela normalmente tem entre 24 e 72 horas para deixar o país. Mas o Itamaraty não especificou em quanto tempo Maldonado, que vive em Brasília com a família, terá de sair do Brasil.

Isso porque, no caso do embaixador brasileiro, até agora não houve comunicação oficial da chancelaria venezuelana, nem especificação de prazos para saída.

Então o Itamaraty também usará de reciprocidade, ao não especificar prazos.

Maldonado está chefiando a embaixada na ausência do embaixador titular, que foi convocado pela Venezuela em maio de 2016, em protesto contra o processo de impeachment de Dilma Rousseff.FOLHAPRESS

PERU FUJIMORI

Presidente do Peru concede indulto a Fujimori

Fujimori ficou no poder entre 1990 e 2000 (Foto: REUTERS/Pilar Olivares)

No último domingo, 24, o presidente do Peru, Pablo Kuczynski, concedeu indulto humanitário ao ex-governante Alberto Fujimori, de 79 anos, por conta de suas más condições de saúde. Segundo os médicos, o ex-presidente sofre de uma “doença progressiva, degenerativa e incurável”.

Fujimori ficou no poder entre 1990 e 2000. Em 2009, foi condenado a 25 anos de prisão pela autoria indireta dos massacres de 25 pessoas em 1991 e 1992, realizados pelo grupo militar secreto Colina, e o sequestro de duas pessoas em 1992.

“Em vez de reafirmar que num estado de direito não cabe um tratamento especial a ninguém, ficará para sempre a ideia de que sua libertação foi uma negociação política vulgar em troca da permanência de Kuczynski no poder”, escreveu José Miguel Vivanco do Human Rights Watch, no Twitter.

Pablo Kuczynski enfrentou processo de impeachment há poucos dias. Ele é acusado de ter recebido dinheiro da Odebrecht quando era ministro do governo Alejandro Toledo.

No Peru, jornalistas e analistas acreditam que houve uma negociação entre um setor do fujimorismo e o atual presidente para que dez congressistas do partido Força Popular se abstivessem de votar contra o presidente em troca do indulto.EFE

VIVENDO NO BRASIL 2

ITÁLIA IMIGRAÇÃO

Mais de 250 imigrantes foram resgatados no Mediterrâneo na noite de Natal

Arquivo. EFE/Elio Desiderio

A Guarda Costeira da Itália informou nesta terça-feira que 255 imigrantes, entre eles uma grávida e várias dezenas de menores, foram resgatados durante a noite de Natal quando viajavam em três embarcações pelo Mediterrâneo central.

Segundo a instituição, que coordena as operações de salvamento no Mediterrâneo, estas pessoas foram recuperadas quando viajavam em um bote inflável e dois pequenos barcos.

Duas das embarcações foram socorridas por navios do dispositivo europeu da Eunavfor Med e a outra pela ONG espanhola Proativa Open Arms, que detalhou que resgatou 134 pessoas, entre elas 36 menores.

Este foi o salvamento de imigrantes mais numeroso dos últimos dias, pois fazia tempo que não eram localizadas embarcações nesta área do Mediterrâneo, depois dos acordos da Itália com o governo líbio para o patrulhamento do litoral.

Na semana passada, a Itália, em colaboração com as Nações Unidas e a Conferência Episcopal Italiana, começou a transportar ao país o primeiro grupo de cem refugiados dos chamados centros de detenção na Líbia.EFE

EUA RÚSSIA

Trump diz que FBI está "contaminado" após usar dossiê encomendado por Hillary


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira que o FBI (polícia federal dos EUA) está "contaminado" após ter utilizado um dossiê pago em parte pela campanha de Hillary Clinton para investigar a suposta conexão do republicano com a Rússia.

"Eles utilizaram este monte de lixo da desonesta Hillary como base para ir contra a campanha de Trump", afirmou o presidente em sua conta no Twitter.

Trump também se referiu ao dossiê como "falso" e explicou que o FBI não poderia verificar as acusações de suposta coordenação entre sua campanha e o governo russo nas eleições presidenciais de 2016, que foram feitas no documento.

O governante tachou o FBI de "contaminado" pela atuação do órgão em relação à investigação de sua campanha, citando como fonte o programa "Fox and Friends", da emissora conservadora "Fox", um de seus favoritos.

Em outubro, o jornal "The Washington Post" informou que a campanha de Hillary Clinton e o próprio Partido Democrata tinham financiado a investigação que foi revelada depois das eleições sobre os possíveis vínculos entre o agora presidente, Donald Trump, e o Kremlin.

Um ex-assessor de campanha de Trump, Michael Caputo, enalteceu nesta terça-feira os tweets do governante sobre o FBI e considerou críticas uma "política de segurança" contra a possível politização das investigações.

"Os tweets do presidente são uma política de segurança para os americanos para assegurar que as organizações encarregadas de aplicar a lei se mantenham imparciais", declarou Caputo em entrevista à "CNN".

Caputo considerou que o conteúdo dos tweets de Trump pode ser decepcionante para alguns, mas se encarrega de ressaltar à população a politização existente por uma boa razão", e expressou que "se haverá uma investigação, tem que ser imparcial".EFE

RETROSPECTIVA 2017 CHILE

Chile se encaminha para novo ciclo no último ano do governo Bachelet

EFE/Esteban Garay.

Os resultados das recentes eleições e os indicadores dos últimos meses evidenciam que o Chile se encaminha para um novo ciclo político e econômico, coincidindo com a fase final do mandato da presidente Michelle Bachelet.

Ao longo de 2017, o governo foi fortemente questionado pela oposição de direita e um amplo setor do empresariado, mas o resultado das eleições e o rumo que a economia está tomando parecem indicar um balanço mais equilibrado.

No dia 17 de dezembro, o candidato conservador Sebastián Piñera conseguiu uma contundente vitória no segundo turno das eleições presidenciais contra o senador Alejandro Guillier, aliado de Bachelet.

No entanto, o ex-presidente entre 2010 e 2014 e que retornará ao cargo, terá que pactuar as reformas de sua nova gestão com a oposição, já que a coligação que o apoia não obteve maioria absoluta no Congresso nas eleições de 19 de novembro.

O fracasso eleitoral de Guillier representou um duro revés para Bachelet, que nas últimas semanas de campanha o apoiou firmemente, ao contrário do que fez em 2009 com Eduardo Frei.

A queda da coligação Nova Maioria, formada em 2013 para dar apoio eleitoral a Bachelet, é inapelável.

No entanto, o segundo mandato da presidente - considerada pela revista Forbes a quarta governante mais poderosa do mundo - deixa um legado político que agrada, inclusive, uma parte da direita.

A presidente alega que promoveu reformas que representam "mudanças fundamentais na vida das pessoas, ao abordar temas que pareciam impossíveis".A gratuidade da educação superior, a reforma do sistema eleitoral, o voto dos chilenos no exterior, as cotas obrigatórias de participação feminina e a descriminalização parcial do aborto são alguns exemplos.

Nos últimos anos aumentou entre os cidadãos um forte sentimento de rejeição aos partidos políticos, às instituições, à classe empresarial e até à polícia, uma aversão que cresceu à medida em que casos de corrupção vinham à tona.

Os chilenos tomaram consciência de que o Estado não lhes garantia educação de qualidade, um sistema de saúde confiável, aposentadorias dignas, segurança e empregos estáveis.

E enquanto uma parte da população saiu às ruas para protestar, mais da metade cristalizou essa rejeição na abstenção (65% nas eleições locais, 53% nas legislativas e 51% nas presidenciais).

A mudança social e política pela qual o país passa também teve expressão em 2017 com o fim do modelo político nascido no final dos anos 80 para lutar contra a ditadura, baseado em um bloco de centro-esquerda e outro de direita.

Mas a irrupção no Parlamento da Frente Ampla, uma heterogênea coligação de partidos de esquerda e movimentos sociais, provocou uma nova correlação de forças.

A classe empresarial e as agências de classificação de risco, que perderam a confiança no governo Bachelet por causa da reforma laboral, a alta dos impostos corporativos e o déficit fiscal, esperam agora que o triunfo de Piñera nas urnas impulsione a economia.

Além do otimismo dos investidores pelas expetativas geradas com a mudança política, alguns indicadores econômicos experimentaram melhora nos últimos meses.

Em outubro, a atividade econômica do Chile cresceu 2,9% em comparação com o mesmo mês em 2016, o que representa a variação mais alta registrada no ano.

O Produto Interno Bruto do Chile cresceu 2,2% no terceiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período no ano anterior e, segundo os prognósticos do Banco Central, fechará 2017 com uma expansão de 1,4%.

O desemprego também se mantém em níveis relativamente baixos, de 6,7% no trimestre agosto-outubro.No entanto, para 2018 se prevê que a economia chilena volte a subir, com uma expansão de entre 2,5% e 3,5%, segundo o Banco Central.

Além disso, o cobre, principal produto de exportação do Chile, ficou cotado em outubro a US$ 3,2 a libra, seu maior nível desde julho de 2014.EFE

RETROSPECTIVA 2017 MÉXICO

México vive caos e solidariedade em ano marcado por 2 terremotos

EFE/Mario Guzmán

O México sofreu em setembro dois fortes terremotos que causaram mais de 400 mortes, enormes perdas financeiras e uma reação popular de solidariedade que fez esquecer temporariamente os graves problemas de insegurança e corrupção que abalam o país.

Quase à meia-noite de 7 de setembro um violento tremor de magnitude 8,2 tornou-se o mais potente a ser registrado no país desde 1932 e causou a morte de 98 pessoas; 78 delas no estado de Oaxaca, 16 no de Chiapas e 4 no de Tabasco.

O istmo de Tehuantepec foi a região mais afetada pelo terremoto, que teve epicentro em frente à costa do estado de Chiapas e perto da cidade de Juchitán de Zaragoza, onde cerca de 40 pessoas morreram entre os escombros.

As feições desta cidade de Oaxaca e que tem aproximadamente 100 mil habitantes mudaram por completo em segundos. Nada menos que 70% das residências ficaram danificadas, e a população ainda ficou sem serviços básicos como água e luz.

Enquanto eram realizados trabalhos de resgate de sobreviventes, a ajuda começou a fluir a conta-gotas. O presidente Enrique Peña Nieto foi aos estados afetados e pôs ministros à disposição nos locais da tragédia.

A segurança foi reforçada com militares para proteger vítimas que se negavam a sair de suas casas parcialmente destruídas para evitar roubos e furtos.

As autoridades ainda calculavam danos e contavam mortos quando outro terremoto sacudiu o país em 19 de setembro, apenas duas horas e 14 minutos depois que a população fez uma simulação para lembrar os 32 anos de outro trágico tremor que deixou milhares de mortos na capital mexicana.

Embora o tremor tenha sido de magnitude 7,1, contra os 8,1 de 1985, foi sentido com grande força, já que o epicentro foi registrado nas divisas dos estados de Puebla e Morelos, a apenas 120 quilômetros da Cidade do México.

Em poucos minutos a capital do país ficou coberta de poeira. Era um anúncio da dimensão da tragédia. Foram derrubados 38 edifícios em partes diferentes da cidade, incluindo uma escola com dezenas de crianças do lado de dentro, e serviços de luz e água potável foram interrompidos em diversos bairros.

O tráfego ficou caótico em pouco tempo. Milhares de pessoas foram para as escolas de seus filhos ou suas residências, enquanto outras começaram a procurar por sobreviventes entre ruínas, em uma amostra de solidariedade que durou várias semanas.

Pelo menos 228 pessoas morreram na Cidade do México, mas o saldo final chegou a 369 se contabilizados os mortos nos estados de Morelos, Puebla, Guerrero, Oaxaca e México.

Cerca de 12 milhões de pessoas sofreram de alguma forma com os efeitos dos dois tremores, e 250 mil perderam suas residências, sendo que a maioria vive com familiares ou amigos, no melhor dos casos, ou em precários barracos, no pior.

Segundo dados oficiais, os terremotos causaram danos parciais ou totais em 184.000 moradias, a maioria em Chiapas e Oaxaca, onde a população se queixa que o fluxo de ajuda foi interrompido com o segundo terremoto, que desviou a atenção das autoridades para o centro do país.

Também foram afetados de alguma forma 14 mil lojas, 16 mil escolas e 1,8 mil edifícios em 11 estados com valor arqueológico, artístico e histórico.

Segundo Peña Nieto, cuja popularidade melhorou levemente após as prestações de apoio estatal - passou de 16% para 23% no quarto trimestre -, a reconstrução de todas as áreas afetadas exige um investimento de 48 bilhões de pesos (US$ 2,5 bilhões).

Os terremotos geraram um impacto temporário na economia, que registrou uma desaceleração no terceiro trimestre de 2017 ao crescer 1,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, depois do aumento de 1,9% em comparação equivalente considerando os períodos abril-junho de 2016 e 2017.

Segundo a Secretaria de Fazenda, o efeito dos desastres naturais já foi amenizado, e o prognóstico de crescimento da economiz mexicana foi mantido para de 2% a 2,6% neste ano, apesar do contexto de volatilidade e incerteza pela renegociação do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta) e as próximas eleições presidenciais.

Dentro do processo eleitoral, dois temas pesarão nas urnas: a crescente corrupção e a falida estratégia de segurança em um país que está prestes a fechar 2017 com o número mais alto de homicídios em duas décadas, com 20.878 assassinatos de janeiro a outubro, perto do recorde de 22.855 homicídios em todo o ano de 2011.EFE

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

MENSAGEM DO DIA

NO PARÁ DO AÇAÍ - DEZ 21

VIVENDO NO BRASIL 1

ATENÇÃO TRABALHADOR...

Prazo para saque do abono salarial ano-base 2015 termina quinta-feira


Trabalhadores com direito ao abono salarial ano-base 2015 têm até quinta-feira (28) para sacar o beneficio. O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) informou que esse é o prazo final e não haverá nova prorrogação. Segundo o MTE, até o fim de novembro 1,4 milhão de brasileiros com direito ao benefício ainda não tinham sacado o dinheiro.

Quem trabalhou na iniciativa privada em 2015 pode retirar o dinheiro em qualquer agência da Caixa Econômica Federal ou em uma casa lotérica. Servidores públicos devem procurar o Banco do Brasil. Cada trabalhador recebe valor proporcional à quantidade de meses trabalhados formalmente naquele ano. Se a pessoa trabalhou o ano todo, recebe o valor na íntegra. Quem trabalhou por seis meses, por exemplo, recebe metade do valor. Os pagamentos variam de R$ 79 a R$ 937.

Quem tem direito

Para ter direito ao abono salarial ano-base 2015, é preciso ter trabalhado formalmente em 2015 e atender a alguns requisitos, como estar vinculado formalmente a uma empresa ou a um órgão público por pelo menos 30 dias naquele ano, ter remuneração média de até dois salários mínimos no período, estar inscrito no Programa de Integração Social (PIS) ou no Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) há pelo menos cinco anos e ter os dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Para saber se tem direito ao benefício, é possível fazer uma consulta ao site do Ministério do Trabalho com o número do PIS ou do CPF e a data de nascimento. Também é possível obter informações nas agências bancárias ou ligando para o Alô Trabalho, 158. As ligações são gratuitas de telefone fixo em todo o país.

A Caixa Econômica Federal fornece a informação aos beneficiários do PIS também pelo telefone 0800-726 02 07. O Banco do Brasil atende os beneficiários do Pasep no número 0800-729 00 01.Agência Brasil

COMPORTAMENTO